23 de outubro de 2008

Distribuição da riqueza


Um dos clássicos problemas de filosofia política é o da distribuição da riqueza. Apesar de clássico, como sabemos, ainda atormenta bastante o cidadão comum. Mas vamos tentar perceber um pouquinho do problema. Para tal distinguimos dois princípios, o da liberdade e o da diferença. A relação entre estes dois princípios, enunciados por John Rawls, é bastante simples: diferentes posses de riqueza correspondem a diferentes possibilidades de liberdade. Em termos redondos, um rico tem muito maiores possibilidades de ser livre do que um pobre e parece claro que é muito mais importante ser livre do que ser rico. A proposta de Rawls consiste numa distribuição equitativa de riqueza, tese que parece intuitivamente correcta para muitas pessoas. Mas será mesmo assim? Será que uma distribuição equitativa da riqueza produziria equilíbrio entre o princípio da liberdade e o princípio da diferença?

3 comentários:

  1. É duvidoso que um rico seja sempre mais livre do que um pobre.

    Por um lado o dinheiro abre possibilidades, mas por outro, a manutenção da riqueza impõe ao rico comportamentos, opções e compromissos que talvez o pobre tenha a liberdade de rejeitar ou ignorar e o rico não.

    Por outras palavras, se eu der um espectáculo triste qualquer ali na praça, amanhã ninguém se lembra disso, mas se fosse rico e fizesse o mesmo não só se lembrariam como talvez a minha vida financeira se ressentisse disso.

    Sei que é um exemplo caricato e talvez pobre, pois dar espectáculo não é bem as medida da liberdade, mas dá a entender o que pretendo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que você quer dizer é que o pobre não importa muito.
      Parabéns, você é um babaca.

      Eliminar
  2. A problema do equilíbrio entre liberdade e igualdade é central em Rawls, como o é em todas as teorias modernas da justiça distributiva. Tenho muitas dúvidas que a questão seja "Será que uma distribuição equitativa da riqueza produziria equilíbrio entre o princípio da liberdade e o princípio da diferença?". Para mim o que faz sentido, lendo Rawls, é "Será que uma distribuição equitativa da riqueza produziria equilíbrio entre o princípio das liberdade básicas e o princípio da princípio da igualdade equitativa de oportunidades?". Assim colocado, a questão é saber se o princípio da diferença é apenas princípio distributivo (que impede que a lotaria natural ou a lotaria social determinem como vai ser a vida das pessoas)ou se é também um princípio redistributivo (sempre que uma divisão estritamente igualitária piore a situação dos membros mais desfavorecidos da sociedade, essa divisão deve ser rejeitada à luz do princípio da diferença). E depois se a teoria da justiça como equidade, e particularmente o princípio da diferença, é ou não capaz de equilibrar a liberdade e a igualdade. Eu acredito que não porque o princípio da diferença tem uma relação complexa, por exemplo, com as noções de igualdade.
    Abraço.
    Vítor João Oliveira

    ResponderEliminar