13 de março de 2009

O filósofo vivo mais influente


A votação do nosso mais recente inquérito terminou há uns dias e ainda nada tínhamos concluído sobre os resultados. Não há muito a dizer. De resto, esperávamos já um resultado destes. Portanto, não há surpresas a assinalar. Consideramos cada um dos nomes na lista relevantes na filosofia contemporânea, ainda assim é de assinalar que 14% das votações recaíram sobre “Outro” o que significa que uma número significativo de leitores pensaram em outros nomes que não os mencionados. Os mais votados são Habermas e Singer. Em parte o número de obras traduzidas destes autores pode explicar a razão da maior percentagem nos votos. Mas ao mesmo tempo temos Steiner com muitas obras traduzidas e só recolheu 3% dos votos, assim como Putnam, embora este não tenha tantas obras traduzidas como o primeiro. No caso de Peter Singer pode existir uma outra hipótese, que é o conjunto de problemas abordados pelo autor, provavelmente mais no centro das atenções dos meios de comunicação, o que lhe reserva alguma atenção. Mas ainda há uma outra possibilidade que é a escrita fluida de Singer, um escritor notável proporcionando ao leitor menos informado na filosofia que entre directamente na discussão de alguns dos principais problemas da ética prática. A Crítica tem alguns textos disponíveis de Peter Singer assim como duas interessantes entrevistas. Agradecemos a todos os leitores a sua votação.

2 comentários:

  1. Gostaria de saber qual ou quais os critérios que se aplicam para se falar de «filósofo» e não «pensador» -- ou vice-versa.

    ResponderEliminar
  2. A discussão deste tema está aqui:
    http://blog.criticanarede.com/2009/02/filosofos-e-pensadores.html

    ResponderEliminar