3 de julho de 2009

A. C. Grayling

O tipo de férias que as pessoas habitualmente têm não são realmente exercícios de lazer, mas de descanso. Se se prolongassem para além das duas ou três semanas, tornar-se-iam aborrecidas e far-nos-iam sentir famintos de estímulo mental. Visto desta forma, o lazer não é o oposto do trabalho; é -- como Mark Twain e Aristóteles sugeriram -- algo melhor: a oportunidade de trabalhar para fins mais elevados.

1 comentário:

  1. Não concordo, prefiro as minhas férias de 3 meses prolongadas durante o semestre a qualquer semana com o trabalho durante o ano :)

    ResponderEliminar