16 de novembro de 2009

Ontologia

Acabo de publicar um informativo artigo sobre ontologia, de Alasdair MacIntyre e Keith Campbell. Espero que seja útil para estudantes,  professores e outras pessoas que não sabem bem o que é tal coisa.

4 comentários:

  1. Já para o fim do texto, na secção – objectos abstractos – os autores dizem o seguinte: “O pensamento humano, especialmente na matemática e na lógica, parece envolver entidades que não têm aparentemente lugar no mundo espácio-temporal. Admitir tais itens é um desafio ao princípio da economia; contudo, é difícil conseguir reduções bem-sucedidas.”

    Aqui o termo ‘redução’ remete-me para o problema da consciência. Da mesma maneira, aqui o problema da redução aplicado ao mental, consiste em saber se a consciência poderá ser descrita em termos totalmente não mentais, isto é, tendo algum lugar no mundo espácio-temporal. Há filósofos que pensam que não, e dizem que é devido à subjectividade ontológica da consciência.

    A pergunta que deixo aqui à consideração é a seguinte:

    Não haverá nestes filósofos uma incoerência em relação ao conceito de ontologia? Por um lado, fará sentido dizerem-se anti-reducionistas pelo facto de defenderem que a consciência é ontologicamente subjectiva? E por outro, fará sentido dizerem que a consciência é ontologicamente subjectiva? Não seria mais correcto dizer que pelo facto de a consciência não ser categorialmente nenhuma entidade, não é ontologicamente nada? Propriedades, processos, movimentos não são substâncias ou entidades, logo não têm cabimento ontológico. A consciência não será apenas uma propriedade ou um processo?

    ResponderEliminar
  2. Belo texto!

    No início do último parágrafo, está escrito:

    "Duns Escoto, e depois Descartes, ligou o ser necessário à lógica: um ser necessário é aquele cuja existência seria auto-contraditória."

    Não está faltando a partícula "não" entre as palavras "cuja" e "existência"?

    ResponderEliminar