23 de dezembro de 2009

Lógica, filosofia e o seu ensino no secundário


"A Lógica e o Lugar Crítico da Razão" é o título do artigo de Aires Almeida que acabo de publicar. O que está em causa é saber que papel tem ou deve ter a lógica no ensino da filosofia; e se tem um papel instrumental, como por vezes se defende, o que implica isso para o modo como deve ser integrada no ensino da filosofia?

5 comentários:

  1. Aires,
    Tocas em aspectos muito importantes no teu texto. Eu teria feito uma distinção que me parece relevante: uma coisa é extinguir a disciplina de filosofia como formação geral, outra é extingui-la por completo. Isto afectaria a primeira parte do teu texto, muito embora se perceba que estás o tempo todo a pensar na disciplina como obrigatória na formação dos cursos gerais.
    Que te parece?

    ResponderEliminar
  2. Caro colega, Aires Almeida, obrigado pelo seu texto. Não vou entrar em problemas técnicos, mas vou dizer-lhe, com toda a sinceridade, que com colegas como o Aires e outros, encontro balões de oxigénio para as minhas práticas lectivas. Apesar de reconhecer as minhas limitações, encontro no vosso site forças e motivações científicas para melhorar cada vez mais, pois promove uma espécie de «formigueiro» que nos impele a evoluir. Desculpem este sentimentalismo.

    ResponderEliminar
  3. Faço minhas as palavras do António Daniel.

    Rolando: a primeira alternativa que referes é sinistra e já há muito tempo se teme uma reforma parecida. A prazo, significaria a extinção de milhares de postos de trabalho, sobretudo entre os contratados.
    No entanto, já cá ando há 16 anos e sempre a ouvir falar dessas possibilidades. Convirá ter presente que, como refere o Aires, a preocupação dos professores de filosofia em auto-justificar a sua disciplina é tal que, provavelmente, são mais os receios próprios do que as intenções alheias. E esperemos que não se passe disso.

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, António e Sérgio, pelas vossas simpáticas palavras. Este sítio é importante não só para quem lê o que aqui se publica, mas também para quem escreve. Um dos grandes problemas da cultura académica portuguesa (ou antes, da falta dela) é quase não haver oportunidade de se discutir realmente aquilo que se escreve nem se submeter isso à crítica aberta dos pares.

    Rolando, transformar a filosofia (seja na formação geral ou outra) em educação para a cidadania, em área de integração ou em outra coisa qualquer equivale a extinguir efectivamente a filosofia do ensino secundário.

    Acho que, se a filosofia faz parte da formação geral do secundário, ela deve ser para todos os alunos. Qual é, afinal, a vantagem de substituir a filosofia pela área de integração nos cursos profissionais? A ideia é que esta disciplina é mais prática e mais acessível. Disparate! Basta olhar para os programas para se ver que a área de integração é uma treta vaga, obscura e desinteressante para os alunos. O que vale é que muitos professores acabam por suavizar o disparate, tornando aquilo um pouco mais preciso e acessível.

    O que devia haver era filosofia para todos, mas com um programa muitíssimo mais curto e centrado em meia dúzia de problemas filosóficos formulados de forma precisa.

    Abraços e bom ano novo.

    ResponderEliminar
  5. Este é o novo link para o artigo: http://criticanarede.com/logicaefilosofia.html

    ResponderEliminar