31 de janeiro de 2010

História de Portugal

Rui Ramos, Bernardo de Vasconcelos e Sousa e Nuno Gonçalo Monteiro apresentam uma nova e prometedora História de Portugal, a propósito da qual são aqui entrevistados por José Manuel Fernandes.

3 comentários:

  1. É curioso, nesta entrevista, Rui Ramos dizer que foi por um excesso de Iluminismo que se produziu o obscurantismo em Portugal. E que, ao contrário dos países do círculo protestante (mais ricos e mais letrados), em Portugal, por influência do Marquês de Pombal e pelo menos a partir de 1820, a alfabetização ter sido feita contra a Igreja. Portanto, a Igreja que era uma instituição que podia ter sido fundamental para a alfabetização da população não foi, porque o Estado ao chamar a si a exclusividade do ensino, monopolizou tudo, e assim só podia falhar, dado que não tinha recursos suficientes e adequados para isso.

    Ora, esta tese surpreende-me na medida em que me parece ser a influência do catolicismo, ao contrário do protestantismo, um grande responsável, se não o maior, pelo nosso atraso atávico. O catolicismo só é menos dissoluto que os outros nas aparências, mercê da sua refinada hipocrisia. Aliás, um dos motivos do cisma protestante…

    O que pensa o Desidério ?

    ResponderEliminar
  2. Terei de ver os factos e os argumentos. Mas uma coisa me parece evidente: o mundo não é a preto e branco. Haverá muitos católicos de uma maneira e outros de outra. Algumas das melhores universidades do mundo são católicas. Alguns dos mais importantes filósofos do mundo são católicos. Não me parece inaceitável a ideia de que o estado português teria muito a ganhar, do séc. XVIII em diante, aliando-se aos sectores mais progressistas da igreja católica para levar mais e melhor ensino a um maior número de pessoas.

    ResponderEliminar
  3. Passando para conhecer o blog, muito legal a proposta e com ótimo conteúdo!

    ResponderEliminar