Avançar para o conteúdo principal

Ortografia, de novo

Helder Guégués refere aqui um artigo de Francisco Miguel Valada publicado hoje no Público de hoje sobre o acordo ortográfico. Trata-se de um conjunto de argumentos para mostrar que a reforma ortográfica está linguisticamente mal feita. Isto é algo que praticamente todos os linguistas afirmam, incluindo os que defendem a unificação ortográfica da língua portuguesa.

Para não haver dúvidas, as minhas posições são as seguintes:
  1. Para termos uma ortografia oficial, não precisamos de mudar a ortografia — essa é a mentira política dos defensores do acordo ortográfico. Precisamos apenas de sancionar oficialmente as ortografias existentes, ou escolher uma delas como a ortografia oficial da ONU.
  2. As ortografias, como a gramática, o léxico e a fonética, não devem ser mudadas por decreto, mas sim pelo uso.
  3. Mudar as ortografias não serve qualquer propósito benéfico.
  4. Mudar as ortografias é maléfico porque viola o direito que os lusófonos têm de conseguir ler o seu legado linguístico. Isto é particularmente grave hoje, porque os meios digitais permitem aos anglófonos ter acesso gratuito a imensos livros com mais de 80 anos, ao passo que os lusófonos não — porque os livros escritos em português com mais de 80 anos têm uma ortografia ilegível para o cidadão comum.

Comentários

  1. No que respeita ao ponto 4, esqueci-me de referir os milhares de páginas escritas em português que existem na Internet, como aqui na Crítica, que subitamente ficam todas ortograficamente erradas. O que fazer a isso tudo?

    ResponderEliminar
  2. Também concordo que a ortografia não deve ser alterada por lei: uma evolução gradual e "comunitária" é mais correcta; o acordo é inútil, o que não quer dizer que não venha a ser aplicado.

    Dito isto, penso que a mudança ortográfica não é um mal em si e ocorreria naturalmente (aliás, tal tem acontecido com o uso do hífen, por exemplo). Só não é me parece que deva seja feita por lei (embora seja isso que acontece no caso de línguas como o espanhol, o francês, o alemão...).

    As mudanças graduais e naturais não invalidariam obras anteriores. A ortografia inglesa também evoluiu (os vitorianos escreviam "do n't" e não "don't", por exemplo). Por exemplo, a mudança de 1973 -- "sozinho" em substituição a "sòzinho", etc.) não invalidou os livros anteriores.

    Como curiosidade, veja-se o início de As Cidades e as Serras, como foi escrito por Eça de Queirós (ou Queiroz). Parece-me bastante perceptível:

    "O meu amigo Jacintho nasceu n'um palacio, com cento e nove contos de renda em terras de semeadura, de vinhedo, de cortiça e d'olival. No Alemtejo, pela Extremadura, atravez das duas Beiras, densas sebes ondulando por collina e valle, muros altos de boa pedra, ribeiras, estradas, delimitavam os campos d'esta velha familia agricola que já entulhava grão e plantava cepa em tempos d'el-rei D. Diniz. A sua quinta e casa senhorial de Tormes, no Baixo Douro, cobriam uma serra. Entre o Tua e o Tinhela, por cinco fartas legoas, todo o torrão lhe pagava fôro. E cerrados pinheiraes seus negrejavam desde Arga até ao mar d'Ancora. Mas o palacio onde Jacintho nascêra, e onde sempre habitára, era em Paris, nos Campos Elyseos, n.º 202. [2] Seu avô, aquelle gordissimo e riquissimo Jacintho a quem chamavam em Lisboa o D. Galião, descendo uma tarde pela travessa da Trabuqueta, rente d'um muro de quintal que uma parreira toldava, escorregou n'uma casca de laranja e desabou no lagedo. Da portinha da horta sahia n'esse momento um homem moreno, escanhoado, de grosso casaco de baetão verde e botas altas de picador, que, galhofando e com uma força facil, levantou o enorme Jacintho―até lhe apanhou a bengala de castão d'ouro que rolára para o lixo."

    ResponderEliminar
  3. Concordo. Mas discordo do seguinte: o texto do Eça é perceptível -- consegue-se ler mais ou menos. Consegue, quem? Quem tem uma formação escolar superior. Quem não a tem, fica completamente confundido. E mesmo eu, ao ler isto, não sei em que casos ("familia", por exemplo) se escrevia mesmo assim ou se a transcrição foi mal feita.

    ResponderEliminar
  4. Caro Desidério Murcho,

    Em primeiro lugar, cumprimento o autor de "Pensar Outra Vez: Filosofia, Valor e Verdade", que li e sobre o qual gostaria um dia de trocar algumas impressões. Saúdo também o autor de "Ortografia kafkiana".

    Garanto-lhe que é necessário neste momento demonstrar que ISTO (o AO 90)está mal feito. A razão é muito simples: se nos perdermos na discussão "é necessário" vs. "não é necessário", o "é necessário" ganha porque está no poder e com esse argumento o processo é imparável.

    Por esse motivo, é necessário discutir este Acordo, esperar que se entenda que ele é péssimo, esperar pela sua impugnação e depois retomar o debate "é necessário" vs. "não é necessário".

    Para que as coisas fiquem bem claras, não sou a favor de qualquer Acordo, porque considero perfeitamente desnecessário. Isto está bem claro no meu livro “Demanda, Deriva, Desastre - os três dês do Acordo Ortográfico” (doravante, DDD) e já o tornei claro, quer nas apresentações do meu livro, quer no Seminário de Tradução da União Latina, no passado mês de Novembro.

    Quando digo no artigo: "sou favorável a uma reforma ortográfica (sob forma de acordo ou sob outra forma)" deve entender-se o que está para trás. O que está para trás é que um Acordo (exemplos são o AO 86 e o AO 90) só é possível através do “critério fonético” inventado ad hoc. Este critério é inconcebível. Logo, sendo inconcebível, o Acordo é impossível.

    Esquecendo por um parágrafo o Acordo, jamais me ocorreria propor uma revisão profunda da ortografia. O que me ocorreria, sim, seria analisar uma proposta de reforma (Acordo), como fiz (e muitos outros fizeram)e manifestar a minha opinião, baseada em razões técnicas. No limite, proporia o fim da ambiguidade na hifenização (que é confusa e mais confusa se torna com o AO 90) e analisaria propostas, para avaliar a sua procedência ou não. Esse é o meu limite. Mas não imporia uma reforma aos outros Estados da CPLP.

    O AO 86 e o AO 90 demonstram que a necessidade da reforma é pura e simplesmente política, não sendo necessária em termos sociais, culturais ou linguísticos.

    Quando afirmo no artigo "Sou favorável a uma reforma ortográfica que dignifique a minha língua", refiro-me ao início do parágrafo: "Sou favorável ao Acordo Ortográfico de 1945".

    Com isto, quero dizer que o AO 45 está bem feito e não se deve mexer no que bem feito está. Aliás, garanto-lhe que as falhas que detectei no AO 45 se devem a ter sido feito sob a pressão de se tratar de uma reforma à luz de um Acordo (por exemplo, a queda do acento de "dezóito" e "combóio").

    Quanto ao que digo no artigo: "as divergências morfossintácticas e lexicais impedem tal projecto, no mínimo, megalómano". Isto significa que não entendo linguisticamente a necessidade de um Acordo Ortográfico. Aliás, no meu livro, dedico algumas páginas a essa matéria.

    Os argumentos que apresento no artigo do Público estão a milhas dos argumentos dos linguistas “que defendem a unificação ortográfica da língua portuguesa".

    Cordialmente,

    Francisco Miguel Valada

    ResponderEliminar
  5. Discordo. O texto de Eça consegue ler-se perfeitamente — mesmo por quem não tem formação escolar superior. Quanto ao vocábulo sobre o qual tem dúvidas, é irrelevante para a discussão. Imagine o Desidério que num texto lia «maoísta» e noutro lia «maoista». Admitindo que tal facto o perturbava, impedia-o acaso de compreender o que lia?
    Helder Guégués

    ResponderEliminar
  6. Caro Francisco

    Muito obrigado pelos seus esclarecimentos, e pelas suas palavras. Concordo consigo: estrategicamente, o melhor a fazer é mostrar a inanidade linguística do texto do acordo. O argumento do Miguel RM é que o texto do AO não é realmente muito bom, mas que devemos primeiro aceitá-lo e depois melhoramo-lo. Bizarra, esta ideia.

    Aqui no Brasil, a nova ortografia já foi adoptada nos seus dois principais dicionários, o Houaiss e o Aurélio. E a Academia Brasileira de Letras já o sancionou, interpretando-o como lhe apeteceu, violando muitas vezes o seu teor ou pelo menos o seu espírito. A verdade é que no Brasil quase ninguém dá pela diferença entre a velha e a nova ortografia porque as diferenças não são significativas, ao contrário do que ocorre em Portugal. Aqui no Brasil um jornal escrito com a nova ou com a velha ortografia quase não faz diferença. Em Portugal é bastante diferente. Já tentei escrever com a nova ortografia; e se estiver a escrever português brasileiro não tenho problemas. Mas se estiver a escrever português de Portugal tudo aquilo me parece absurdo e sem razão de ser. Esta impressão resulta em parte dos erros linguísticos do AO. Ao contrário do que afirma Malaca Casteleiro, a “imagem fonética” e a “imagem gráfica” não são entidades apartadas, mas antes realidades que se influenciam mutuamente. Aliás, se fossem realidades apartadas, como se justificaria uma reforma ortográfica que assenta na fonética? E como se pode pretender unificar a ortografia com base na fonética, se a fonética é o que (felizmente) mais separa a diversidade de maneiras de falar o português?

    Estou muito céptico quanto à possibilidade de bloquear este AO em Portugal. A força costuma ganhar nestas coisas, e não a razão e a argumentação. O que se lê nos jornais, dos defensores do AO, é geralmente mentira, ou meias verdades, ou pura megalomania absurda. Muitos políticos podem pensar que algumas dessas mentiras de sabor mais imperialista são verdadeiras — que, assinando este AO, ganhamos importância internacional. Quem não gosta de soluções simples? Se não ganhamos importância internacional pela economia, ciência, cultura, filosofia, ideias ou livros, vamos ganhá-la pela maneira como escrevemos “excepto”?

    Por outro lado, a última reforma ortográfica alemã ficou só no papel. Em parte porque alguns jornais não a adoptaram. Outros adoptaram-na durante algum tempo, mas depois desistiram. Talvez o mesmo ocorra em Portugal.

    O que pensa o Francisco?

    ResponderEliminar
  7. Talvez tenha razão, Helder. Quem não tem formação escolar adequada e lê à toa, tanto faz, porque está de qualquer modo habituado a só entender uma pequena percentagem do que lê e não está habituado a subtilezas e pormenores — só quer apanhar a ideia geral. Portanto, para estes, não faz mal. Para quem tem formação escolar adequada, deverá ser suficientemente sofisticado para entender o texto. Portanto, tanto num caso como no outro, não faz mal. Talvez tenha razão e sou apenas eu que sou muito comichoso. Gosto de saber se o que estou a ler está correctamente escrito ou não; dou muita importância aos pormenores, e desconfio de textos mal digitados. Se o texto tiver a ortografia de 45, eu sei ver se é uma gralha; se for a ortografia anterior, não sei. Aliás, a julgar pelo assassínio da ortografia nos comentários dos jornais de maior circulação, estamos a discutir o sexo dos anjos, pois aquela ortografia, com AO ou sem AO, continuará a escrever “voçê” (mas também é interessante ver de onde virá este erro).

    ResponderEliminar
  8. Esqueci-me de referir um aspecto caricato, que é já o resultado desta macacada toda. A edição anterior do Aurélio continha todas as variantes lusitanas: tinha "correcto" e "correto". Agora só tem "correto". Então, ficámos melhor ou pior?

    ResponderEliminar
  9. Entretanto, eis outro argumento, para o Helder. Se tanto lemos Eça de uma maneira como de outra, para quê mudar a ortografia? Não seria mais bonito ler o homem como ele escreveu? Irra, até o nome do homem escrevemos mal!

    ResponderEliminar
  10. Este último argumento era exactamente onde queria chegar. Penso inclusivamente que ler várias ortografias pode ser um bom exercício mental e uma forma de darmos mais atenção à língua. Cumprimentos a todos!

    ResponderEliminar
  11. Caros,

    Sou brasileiro e professor de língua portuguesa, e sinceramente, achei um absurdo esse acordo, a desculpa dada para ele acontecer é a mais tola e embaraçosa possível. Ainda não consegui me adaptar ao acordo, e no fundo ele não muda nada.

    ResponderEliminar
  12. Caro Desidério,

    Peço desculpa pelo atraso na resposta.

    Sem dúvida que uma aplicação em Portugal se sujeita a uma situação semelhante à alemã. Dupla grafia no mesmo território, uma da administração pública e outra do cidadão. Se acrescentarmos a esta equação o factor dupla grafia criado pelo instrumento ortográfico, a situação prevê-se não só bizarra, como catastrófica.

    Prevejo que tudo corra muito mal e não estou satisfeito com isso. Os nossos alunos e os nossos professores vão sofrer imenso com a aplicação de um AO 90, que é inútil, perigoso e produto da mais elevada irresponsabilidade académica.

    Quanto ao argumento de "está mal, mas vai-se corrigindo"... Pois bem: está mal e já se disse antes de os VOLPs irem para o prelo. Por que motivo não se corrigiu antes de publicar? Por que motivo se andam a vender VOLPs com erros, ao preço de 60 EUR. Erros, não só de base, como de interpretação das Bases.

    Agora, tenho de ir.

    Volto à carga para falar da sua obra, profundamente mais interessante do que a encomenda aceite por meia-dúzia de pessoas, que ousaram levar a cabo uma experiência, sem a avaliar e (pior do que isso) ignorando o redondo chumbo que levaram.

    A usa obra, sim, é produto de qualidade científica.

    Cordialmente,

    Francisco Miguel Valada

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…