Avançar para o conteúdo principal

Proposta para uma nova ortografia

Eis uma sugestão a todos os que, algo sofisticamente, têm argumentando que devemos adoptar a nova ortografia, mas reconhecem que tem vários problemas que devem ser corrigidos. Vamos então corrigi-los. Só os mais graves.

Hífenes. Esqueça-se aquela ambiguidade do texto oficial, e use-se antes o bom senso: aceite-se a norma anterior porque temos mais que fazer do que mexer em hífenes, e para os casos bicudos adopte-se a regra simples de usar hífen ou não consoante precisamos de marcar que se trata de uma só palavra, mas composta, como “cor-de-rosa” (até porque uma rosa pode não ter cor de rosa), ou consoante se trata de uma aposição como “anti-” (não vejo a vantagem fantástica de ter de escrever “antissocial”).

Consoantes mudas. Esqueça-se o absurdo critério fonético, que obrigaria portugueses a deixar de escrever “aspecto” passando a escrever “aspeto”, ao passo que os brasileiros continuariam a escrever “aspecto”, entre muitos outros casos. Elimine-se apenas as consoantes mudas que nenhum lusófono pronuncie; apesar de mesmo assim ficarmos com os disparates orto-fonéticos de “ação” (que em Portugal se lê intuitiva e correctamente como “assão”, sem o “a” aberto), sempre seria melhor do que a mentira actual, segundo a qual temos agora uma nova ortografia unificada… mas com duas variantes, que é exactamente o mesmo que tínhamos antes.

Viagem no tempo. Em vez de se ter permitido que duas pessoas sem grande sensatez humana e ainda menos competência linguística fizessem entre eles um texto absurdo, depois sancionado por políticos semi-analfabetos, contratava-se verdadeiros linguistas das novas gerações, gente com menos de 40 anos e cuja lista de leituras não termina toda mais ou menos nos anos 40 do século passado. E teríamos tido, de certeza, um resultado cientificamente sólido e humanamente equilibrado. E, quem sabe, uma verdadeira unificação ortográfica. Até nem era difícil: era começar por eliminar o cientismo axiomático que pretende mudar as ortografias com base em Grandes Princípios Gerais, e fazer uma coisa pragmática, olhando para todas as diferenças ortográficas e eliminando ora as de um lado ora as de outro, caso a caso. Que tal?

Comentários

  1. Péssima proposta. Por vários motivos:

    1) Mostra que tens mau perder por causa da luta que fizeste contra o acordo;

    2) Entras por soluções de compromisso o que mostra nova derrota;

    3) Propôr pessoas com menos de 40 anos a elaborar normas linguísticas só dá para dizer: prontos, antensão os kotas paçaramse? É assim que vai escrever a nova geração(é uma caricatura mas não anda longe da realidade).

    ResponderEliminar
  2. Discordo:

    3) Vejo indícios (felizmente, e em várias áreas, da economia à história) de que os novos académicos portugueses são mais competentes do que os das gerações anteriores. O que se poderá explicar pelo simples facto de que as suas bibliografias não estarem apodrecidas no tempo.

    1) Isto para mim não é um jogo de futebol; não há perder e ganhar. Há é trabalho real: estou envolvido em projectos editoriais que visam publicações luso-brasileiras, e a nova ortografia, supostamente unificada, não é afinal unificada porque continuam a existir duas variantes ortográficas (além das lexicais e gramaticais).

    2) Uma proposta de genuína unificação ortográfica seria muito bem-vinda editorialmente, e eu nunca o neguei. O que sempre neguei foi que o objectivo desta nova ortografia fosse a unificação — não o é. Por exemplo, imagina que publicas um livro em Portugal e no Brasil supostamente com a nova ortografia. Se seguires a norma portuguesa, escreves “económico”, mas “econômico” se a brasileira; mais ridículo ainda: se seguires a brasileira, continuas a escrever “espectáculo” e “aspecto”, como na antiga norma portuguesa, mas se seguires a nova norma portuguesa escreves “espetáculo” e “aspeto” — num caso, escreves como o leitor português espera, mas com a nova norma brasileira, e no outro escreves como o brasileiro não espera, porque usas a nova norma supostamente unificada. Lindo, não é?

    ResponderEliminar
  3. e que mal haveria em escrever "os kotas paçaram-se"?

    pelo menos segundo os critérios dos acordistas nenhum: está tão "próxima da fonética" como "os cotas passaram-se".

    ResponderEliminar
  4. E ainda há uma mais idiota: é que se dermos ouvidos ao princípio de que a ortografia deve seguir a fonética, nesse caso temos de ter tantas línguas, quanto as pronúncias e sotaques. Por exemplo, aqui na Madeira jamais se poderia aceitar que "continente" se escreva "continente", mas sim "contenente". "piloto" passaria a ser "pilhoto". O curioso é que isto seria um regresso ao passado, já que antes da massificação da TV e meios de comunicação e da escola, era na verdade o que tínhamos, uma espécie de torre de babel dentro da mesma língua. Uma das vantagens de não mudar a ortografia foi precisamente a de pôr toda a gente a entender-se. Ora se mudamos de ortografia de 30 em 30 anos como podemos defender que o que está em causa é a unidade da língua? Mudanças periódicas produzem o efeito oposto, sem que se produza mais resultados além da confusão.

    ResponderEliminar
  5. Só incompetentes poderiam usar como critério de uma reforma ortográfica entre países com fonéticas tão marcadamente diferentes o princípio da fonética. É como usar como critério a cor da pele para unificar a cidania lusófona. O único critério é a história, que nos une a todos. E a história, no caso da língua, é a etimologia e o uso já consagrado. Portanto, o que havia a fazer era pegar em todas as diferenças ortográficas uma a uma e eliminá-las todas ou tornar ambas as variantes aceitáveis e sem fronteiras.

    ResponderEliminar
  6. Tem toda a razão! Eu estou no 12º ano e faz-me uma confusão tremenda, bem como a todos os meus professores, de línguas ou não. Quer dizer, se o Reino Unido, montes de vezes maior que Portugal, nunca fez um acordo ortográfico a)entre os reinos (Escócia, onde muitos ainda falam gaélico, Gale, onde ainda se fala galês) e b)entre as ex-colónias, como os EUA ("cor" lá escreve-se "color" e no Reino Unido "colour") e a Austrália, muito mais influentes que o Brasil, por que raio este pequeno país havia de fazer um acordo absurdo com uma sua ex-colónia? Já agora, porque não desatamos todos a falar criolo ou a dizer "nemnem" em vez de "bebé"? É que ainda por cima querem tirar letras que dizem não se ler ou dizer mas muitos lêem e dizem. Eu digo "Egípeto" e não "Egito" e "Opetimizar" e não "Otimizar"... Andei 12 anos na escola a aprender a escrever, a minha professora de Português dá aulas há 30 anos e tem alguns 20 de estudos e esses 50 anos de Português agora são deitados fora? E isto tudo porque, como sempre, Portugal se quer por em bicos de pés!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…