2 de março de 2010

Cambridge Companion to Atheism

A edição portuguesa de Cambridge Companion to Atheism, org. por Michael Martin, já tem capa e é bonita. Com tradução minha, este volume tem artigos, entre outros autores, de William Lane Craig, Keith Parsons, Evan Fales, Daniel C. Dennett, David O. Brink, Quentin Smith e Patrick Grimm. Editada pela 70, estará à venda em Portugal em finais de Abril. Um capítulo está disponível na Crítica: "Teorias Antropológicas da Religião", de Stewart E. Guthrie.

8 comentários:

  1. Bom trabalho!
    A cultura filosófia portuguesa necessita destas traduções, embora nos bafientos departamentos de filosofia, em portugal, se continue a achar que "divulgar é degradar".

    ResponderEliminar
  2. "degradar" é o que se faz em grande parte nesses mesmos departamentos: doxografias mal feitas, isto é, fantasiosas, em vez de argumentação e gosto genuíno de perseguir um problema a ver onde ele nos leva.

    Toda a gente aceita a idealização da atitude socrática quando estuda a Apologia de Sócrates de Platão, porque se identificam com a figura do filósofo que irrita a soberba dos concidadãos com as suas discussões. Mas na prática a atitude socrática incomoda, chateia ou irrita quase toda a gente. A reacção normal é a impaciência e não a curiosidade pela discussão racional, independentemente de ela mostrar que afinal algumas das nossas ideias mais queridas não têm solidez.

    É um pouco como a liberdade de expressão e os partidos: todos defendem a ideia de liberdade quando esta parece permitir apenas que se diga aquilo de que gostamos politicamente, mas erguem imediatamente o sobrolho perante a liberdade de outrem dizer o que nos ofende politicamente.

    Idem com a atitude socrática: é reduzida a mero jogo de palavras agradável, todos se imaginam na pele do Sócrates moscardo. Mas esquecem que na atitude socrática não há privilégios epistémicos, e isso zanga as pessoas sempre que se vêm numa situação dialéctica em que as suas ideias não têm qualquer privilégio. Sócrates sabia mais do que isto: já sabia que não sabia. É este o valor pedagógico da ideia de saber que não sabe, e não, como em tempos me pareceu, o de confrontar o saber humano com o saber divino, e outras tolices que nos enfiam na cabeça.

    ResponderEliminar
  3. Essa edição é uma excelente notícia. Apelidá-la-ia de divina se não fosse ateu. :)


    Helder Mendes

    ResponderEliminar
  4. Muito bom!!!!

    Mas...quem ganhou a promoção do título?????

    Lembram????

    ResponderEliminar
  5. O desafio original está aqui:

    http://blog.criticanarede.com/2009/07/escolha-um-titulo-ganhe-um-livro.html

    A escolha do editor mistura duas sugestões dos leitores.

    ResponderEliminar
  6. Acabo de receber informação do editor da 70 de que os vencedores do nosso desafio sobre o título do livro recebê-lo-ão assim que sair.

    ResponderEliminar
  7. Of course, the summer's thin volume has masked the upside moves paydayloans there are lots of establishments located during the entire countries which become providers for career loans.

    ResponderEliminar
  8. O link do capítulo do livro é agora este: http://criticanarede.com/antropologia.html

    ResponderEliminar