25 de março de 2010

Edgar Degas

Toda a gente tem talento aos 25 anos. A dificuldade é tê-lo aos 50.

12 comentários:

  1. É curiosa a citação. Isso me faz lembrar que essa é uma idéia muito aceita entre os matemáticos. Não é a toa que a Medalha Fields, uma espécie de Nobel da matemática e prêmio de máxima distinção entre os matemáticos, não pode ser concedida a quem tenha mais de 40 anos. Por isso Andrew Wiles, que demonstrou o ultimo teorema de Fermat (uma descoberta incrível!) não pode receber o prêmio: ele já tinha 42 anos.

    Eu não sei se essa idéia de que ter brilhantismo quando se é mais velho é mito ou tem algum fundo de verdade: um contra-exemplo à essa idéia é o caso de Paul Erdos, que publicou mais de 1400 artigos, todos importantes, e morreu trabalhando, com mais de 80 anos - na filosofia eu lembro de Russell, que também trabalhou muito, sempre em altíssimo nivel durante um longo tempo de vida.

    O que posso dizer seguramente é que pura e simplesmente não é verdade que toda pessoa tenha talento aos 25 anos: apenas os talentosos têm talentos aos 25 anos.

    ResponderEliminar
  2. Só corrigindo: Eu não sei se essa idéia de que não se pode ter brilhantismo quando se é mais velho é mito ou tem algum fundo de verdade.

    ResponderEliminar
  3. Há coisas em que gostava de acreditar. Uma delas seria essa de «toda a gente ter talento aos 25 anos». Mas deixar-me-ia baralhado e infeliz se assim fosse, porque nunca reconheci manifestações disso. É difícil, para não dizer impossível, acreditar. E não gostava de acreditar que é difícil ter talento aos cinquenta. Mas acredito. O talento pode demorar muito a manifestar-se e a ser reconhecido.

    ResponderEliminar
  4. Não será porque as coisas que um jovem de 25 anos faz e nos surpreende, num adulto de 50 já não nos surpreende?

    té,

    ResponderEliminar
  5. Beethoven compôs a sinfonia nº9 por volta dos 50 anos de idade...

    Luís Filipe

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. A questão é biológica.

    Com o passar dos tempos perdemos células nervosas, a saber, nossos neurônios.

    Impossível manter as mesmas agudeza e perspicácia intelectuais da juventude quando mais velho.

    Só isso!!!!

    ResponderEliminar
  8. Não estarão a interpretar a citação demasiado à letra?!

    O que eu retiro dela é que aos 25 anos ainda não provámos nada, nem a nós próprios nem aos outros, e é muito fácil manter as expectativas elevadas (tanto as nossas como as dos outros em relação a nós).
    Já aos 50 é mais difícil…

    Ou seja, aos 25 todos podem dizer que têm talento; aos 50, só os que de facto o têm o podem fazer.

    ResponderEliminar
  9. Eduardo

    Paul Erdos, Bethoveen e Bertrand Russell são o que? Aberrações biológicas? : )


    Jaime

    com essa interpretação a citação é mais aceitável.

    ResponderEliminar
  10. Eduardo, o que é difícil é manter a petulância de se pensar brilhante enquanto o passar dos anos nos fornece inúmeras provas do contrário.

    Outro exemplo interesante é Kant, que só deu mostra de seu brilhantismo depois dos quarenta.

    Dito tudo isso, reafirmo o que o Joedson citou, é uma pena não haver um ponto de ironia na lingua portuguesa...

    ResponderEliminar
  11. A língua portuguesa tem muitos pontos e muitas pontas de ironia, e as citações referidas reflectem bem isso.

    ResponderEliminar
  12. Não estou preocupado. Se a hipótese do Degas for verdadeira, ainda tenho mais 15 anos de talento. O Desidério é que deve ter desesperado! :-)

    ResponderEliminar