4 de março de 2010

Filosofia e ciência

Quando dou aulas de filosofia existe sempre um problema que incomoda os meus alunos e que gostava de discutir com os nossos leitores. Será que a ciência resolve os problemas que os filósofos colocam ao longo de tantos séculos? Se a resposta for afirmativa então segue-se outra questão: e será possível fazer ciência sem fazer filosofia ao mesmo tempo? Se a resposta continuar afirmativa, então qual é o ponto exacto que nos faz compreender quando se está a fazer filosofia e quando se está a fazer ciência?

4 comentários:

  1. O maior problema do Homem está na ânsia que coloca na procura de explicações precisas e matemáticas para tudo. Julgo que a filosofia é uma espécie de antecâmara da ciência. Ou antes, o Homem não pode iniciar uma pesquiza sem partir de um pressuposto especulativo, logo, filosófico. E quando o persegue fá-lo através da experiência que os objectos na exterioridade lhe permitem; acerta, desacerta ou muda de direcção. Tentativa após tentativa a ciência tem falhado nas respostas a todas as questões postas pela filosofia. Todavia, reconhece-se o seu mérito nas aproximações conseguidas. A mais candente questão da Filosofia é a seguinte: «o que é?». A ciencia responte com descritivos. Mas isso não sinifica conhecer a substância em si. O ponto que separa a filosofia da ciência provavelmente esboça-se quando o Homem dispõe um postulado e parte para a demonstração.
    Nesta sociedade é necessário satisfazer o 'poder' que só uma ciencia ou conhecimento pode diferenciar quem o tem de quem o não tem. E os prémios concedidos justificam a corrida da ciência para os obter. Na verdade interrogo-me, quais os beneficios reais que a ciencia trouxe ao Homem? Felicidade? Amor? Hoje vive melhor do que os Bushman ou que os Sioux que desfrutaram de ar puro, água pura, alimentos sem tóxinas, e por diante? Se a ciência fosse um bem para a humanidade então a sua bondade seria louvada por todos. Mas não é assim.

    ResponderEliminar
  2. Releia lá o seu texto. Você está a filosofar? está a mandar bitaite, está a fazer o quê? Por exemplo,

    "Na verdade interrogo-me, quais os beneficios reais que a ciencia trouxe ao Homem?"

    O que é um benefício real? É afagar-lhe o espírito? Pois, parece que afinal não trouxe nenhum benefício real como, em geral, não traz benefício real para todos aqueles que tenham horror ao saber fundamentado.

    Mas se quer amor, pode ser que daqui a uns aninhos possa comprar uma mulher robotizada. Ah! também há os anti-depressivos que funcionam às mil-maravilhas para casos de falta de "amor" e "felicidade". A maravilha da ciência, afinal.


    "Se a ciência fosse um bem para a humanidade então a sua bondade seria louvada por todos."

    Aquilo que é um bem para a humanidade é necessariamente louvado por todos? Se não, então como concluiu o que transcrevi? Por exemplo, se eu salvar uma família de imigrantes, estou a fazer um bem para a humanidade? Não se esqueça que não serei louvado por todos!

    ResponderEliminar
  3. Edmundo, sugiro gentilmente que argumente de forma mais atenta. O livro "A arte de argumentar" do Anthony Weston provavelmente ajudará muito nesse sentido.

    Por exemplo, sobre suas considerações sobre a ciência, lembre-se que ela é um dos maiores bens que a humanidade construiu e sem ela é possível que estivéssemos piores do que estamos hoje em muitos aspectos. Quer saber dos benfícios reais que elas nos trouxe? Pense na rapidez e facilidade com que nos comunicamos (Kant demorava semanas para receber cartas-respostas de seus contemporâneos),nas doenças que podemos combater, na engenharia que nos protege (pense nos prédios japones que os protegem de tantos terremotos, embora falhe em alguns outros), nos meios de transporte que facilitam enormemente nossas vidas (imagine o quanto nossos antepassados precisavam andar e nas condições precárias de carroças e charretes) e etc, etc, etc, etc, etc, etc...

    Não nego que o mau uso que se fez da ciência ao longo da história trouxe consequências ruins das quais fomos e ainda somos vítimas. Mas não pense que estaríamos melhor sem ciência. A ciência não é um vilão, a ganância em utilizá-la para todos os fins indistintamente para poder lucrar tanto quanto possível é que é. É possível produzir energia e combustíveis muito mais limpos do que os que utilizamos hoje, mas por razões políticas e pelo impacto imediato que provocaria na economia, não é produzida em larga escala.

    E duvido muito que nas tribos indígenas não haja pessoas infelizes e sem amor e que não sejam vítimas de alguma forma de seu modo natural de vida. Pense em quantos bebês indígenas morreram no parto até hoje e que poderiam ter sido salvos se tivessem assistência médica, por exemplo.

    Também o louvor não é um sinal seguro de justo reconhecimento.Lembre-se que muitos pedófilos não são descobertos e são cidadãos aparentemente exemplares e louvados por metade da cidade.

    E tanto a ciência quanto a filosofia não conseguiram conhecer a substância em si.

    ResponderEliminar
  4. Edmundo dos Santos Figueiredo21 de março de 2011 às 04:58

    Pelo menos obtive dus reacções. A primeira anónima e impaciente. A segunda delicada e culta. Naturalmente que aceito ambas. Ambas contêm observações pertinentes, porém, ambas reflectem conformismo. O homem é opinião ou «bitate» ao contrário do que afirma o meu contestador. A fundamentação é sempre discutível e na minha já longa vida não vi, e aceito não ter visto tudo, nada, absolutamente nada que seja dado como certo. Em lógica o exemplo é importante, contudo não citarei nenhum pois para to o exemplo dado há sempre um contra exemplo.
    Voltarei ao vosso encontro tão breve quanto possível. Antes, quero expressar o prazer que tive na leitura das vossas reacções.

    ResponderEliminar