Avançar para o conteúdo principal

Mentira ou ignorância

José Eduardo Agualusa, romancista angolano, tem defendido a aplicação da nova ortografia no seu país, Angola, e usa aqui um argumento que resulta de mentira ou ignorância:
Importamos livros de Portugal e do Brasil. Isso significa que temos livros em duas ortografias no nosso território, facto que suscita natural confusão, sobretudo aos leitores recentemente alfabetizados — em particular jovens e crianças.
O argumento é que com a nova ortografia Angola poderia importar indiferentemente livros de Portugal ou do Brasil, sem diferenças ortográficas. Isto é falso. Com ou sem acordo ortográfico, os leitores angolanos irão ler nos livros portugueses as palavras “económico”, “génio” e “facto”, lendo “econômico”, “gênio” e “fato” nos brasileiros. Além disso, onde antes do acordo liam “espectadores” ou “aspecto” nos livros de qualquer país, depois do acordo irão ler “espetadores” e “aspeto” nos livros portugueses, se os editores adoptassem o acordo (o que não está a acontecer e não é previsível que aconteça), e “espectadores” e “aspecto” nos brasileiros.

Portanto, ou Agualusa desconhece a nova ortografia — singular desconhecimento num defensor dela que ainda por cima é romancista — ou mente. Como a quase totalidade dos defensores do acordo, julgo que mente. Quem me dera a mim, e a muitos editores, que o acordo realmente unificasse a ortografia. Não unifica. Apenas muda mudanças. O que uns escrevem de uma maneira, outros passam a escrever de outra, o que em alguns casos se escrevia da mesma maneira, passa a escrever-se de maneira diferente. O acordo ortográfico nada unifica. Nem sequer a ortografia. E mesmo que o fizesse, ainda faltaria unificar o léxico, pois as crianças angolanas iriam sempre ler "electrão" nuns livros e "elétron" noutros, mais c menos c.

Só mais um aspecto (sim, com c, à brasileira): quem se preocupa tanto com a confusão das crianças como pode não se preocupar com a confusão dessas mesmas crianças que, depois do acordo ortográfico, vão a uma biblioteca e encontram não duas ortografias, mas quatro? Quatro porque encontrará livros portugueses com a ortografia antiga e com a modernaça, e o mesmo nos brasileiros. A preocupação de Agualusa com as crianças angolanas é uma argolada. Se está preocupado com elas, deve agarrar-se às duas ortografias que já existem, e declarar que qualquer uma delas é bem-vinda no seu país.

Comentários

  1. Novo link do artigo: http://www.ciberduvidas.com/controversias.php?rid=1602

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…