Avançar para o conteúdo principal

Ciência e contradição pragmática

Uma tendência recente de alguns intelectuais públicos é uma certa histeria pró-ciência, geralmente associada a uma igual histeria anti-religião. Esta atitude foi rapidamente copiada por alguns defensores nacionais da ciência. E está profundamente errada.

O erro chama-se “contradição pragmática”. É o que acontece quando uma pessoa grita: “Não estou a gritar!”. É o que acontece quando o facto de se fazer algo contradiz o que se está a afirmar. No caso dos patriotas da ciência, para usar a expressão de Carlin Romano, a contradição resulta de o discurso montado contra a religião e em prol da ciência exibir todos os vícios de forma e conteúdo que eles mesmos dizem ver na religião e na superstição. Neste artigo, Carlin Romano explica o que há de errado com esta postura.

Comentários

  1. "Zombaria e ridicularização repousam numa falsa opinião e indicam uma imperfeição naquele que zomba e riculariza.
    [...]
    Elas indicam imperfeição naquele que zomba porque ou o que sofre zombaria é ridículo ou não é. Se não é, a zombaria mostra que ele tem má natureza, zombando de quem não merece ser zombado. Se é ridículo, então a zombaria mostra que ele reconhece naquele que sofre zombaria uma imperfeição, que ele deve melhorar com boas razões, não com zombaria." (B. Espinosa, Breve Tratado, II, xi)

    ResponderEliminar
  2. A derrisão e o humor, convenhamos, nem sempre é a forma mais racional e dialógica de expender crenças e argumentos, mas não podemos subestimar o seu despretensioso valor crítico. Convenhamos, também, que a iliteracia científica de um certo obscurantismo/irracionalismo se prestam desgraçadamente à caricatura e ao risível (por exemplo, o de alguns literalistas bíblicos do “Bible Belt”, o das bizantinices da "Ciência Voodoo", ou o de alguns protagonistas do “Caso Sokal”, descritos com mestria no livro Higher Superstition: The Academic Left and Its Quarrels With Science , do biólogo Paul R. Gross e do matemático Norman Levitt), já que qualquer outro tipo de interacção intelectual está liminarmente votada ao fracasso, dado o dogmatismo contumaz das suas crenças e a sua inexpugnabilidade teórica e conceptual (também é disto que fala Popper, quando reflecte sobre a falsificabilidade como critério de demarcação entre ciência e não ciência).

    ResponderEliminar
  3. A obra "Quebrando o encanto" de Daniel Dennett é um ataque respeitoso e sofisticado à religião, muito mais respeitoso e sofisticado do que os textos de Richard Dawkins sobre o assunto.
    Interessante a prova por casos que Alexandre encontrou na obra de Espinosa.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…