Avançar para o conteúdo principal

No país da filosofia

Se há país onde onde a filosofia e o seu ensino têm um estatuto de intocabilidade é a França. Os franceses consideram-se mesmo o país da filosofia. Por isso, todos os estudantes franceses têm de fazer, no final do secundário (o bac, como lhe chamam), um exame nacional de filosofia.

O bac philo é uma verdadeira instituição. O exame tem apenas uma pergunta (o que está de acordo com o programa, que é simplesmente uma lista de noções filosóficas e outra de autores, que os professores podem combinar como quiserem) e os estudantes têm de dissertar sobre o assunto. Há na net vários sítios, como este, este ou este, com listas de questões possíveis e sugestões de respostas a essas questões, que se fazem pagar pelos seus serviços.

Uma das coisas que se tem discutido frequentemente entre estudantes é se os resultados do exame do bac philo são uma lotaria, dada a disparidade de critérios e daquilo que se pode dizer numa prova assim. Muitos alunos e pais encaram as coisas precisamente dessa forma: o resultado do exame de filosofia é uma questão de mera sorte. 

Ora, parece que se instituiu também o chamado bac blanc, que é um teste de preparação para o exame final, em tudo semelhante ao exame, e que é realizado por esta altura em todas as escolas. Um jovem que acabou de realizar essa prova disse-me hoje qual foi a questão do bac blanc. Foi a seguinte: Pode-se ganhar a vida a trabalhar? (Peut-on gagner sa vie en travaillant?)

Eis uma proposta para o leitor: tentar responder a este interessantíssimo problema filosófico.
Eis também a minha tentativa: Poder pode, pois foi o que os meus pais fizeram; mas não seria a mesma coisa... que ganhar a vida sem trabalhar.

E são estas as entusiasmantes notícias do país da filosofia. 

Comentários

  1. Verdadeiramente inspirador para a filosofia no secundário em Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. bom divulgar isso para acabar com esse mito de que França é o país da filosofia - está mais para cemitério de filósofos. Não faz muito tempo que um colega me disse que o doutorado sanduíche na França (parte do doutorado no país de origem e parte na França) é uma picaretagem dos diabos: praticamente nenhuma reunião com o orientador de tese, etc. Ele só mencionou isso casualmente, mas certamente não deve ser boa coisa. Já que você tem amigos por lá, Aires, deveria obter mais algumas informações sobre o funcionamento do mundo acadêmico na França. Quanto mais informações obter, mais implausível torna-se o mito.

    ResponderEliminar
  4. Já estudei um semestre em França no curso "duplo" de Filosofia-Direito. O nome é pomposo, mas, só para ficar por filosofia, direi que tive as seguintes cadeiras:
    Filosofia moral e política (sim, uma coisa não vai sem a outra): o professor era um sociólogo doido varrido que saltava de Hobbes para Comte e deste para Pascal. Não posso dizer o que dali retive, porque não entendia praticamente nada do que ele dizia, mas no exame consegui...um 13, coisa que não me espantou, uma vez que fiz questão de empregar o jargão do senhor.
    Filosofia geral: é uma disciplina, onde se lecciona um grande tema da filosofia. No meu caso era a consciência. Estudávamos por um livrinho de cento e poucas páginas com excertos de textos dos filósofos representativos do tema. Fraquinho, muito fraquinho, mas sobressaía pela qualidade quando comparado com as outras aulas.
    História da Filosofia: as cadeiras de história de filosofia não obedecem a nenhuma ordem cronológica. Não sei se isto é pedagogicamente errado, mas penso que é, no mínimo, bizarro. Eu comecei por história da filosofia moderna. Supostamente, dever-se-ia contemplar os principais problemas e teorias desse período, os filósofos mais representativos e, de preferência, tomar uma atitude crítica perante eles. Qual quê! Levei com a Fenomenologia do Espírito e pronto. O livro era tratado como uma bíblia e comentado em jeito de sermão dominical. Não se analisavam ideias nenhumas e a sensação com que fiquei foi que a professora tinha escolhido aquela obra por ter ela própria uma carga historicista forte, o que poupava o trabalho à senhora de preparar materiais pela própria cabeça. O elemento de avaliação único foi um trabalho para comentar uma frase que ela tinha escrito no quadro. Sinto até vergonha de dizer isto, mas o trabalho que fiz consistiu basicamente em plagiar, com algumas adaptações, um livro de filosofia em português do ensino liceal dos anos 80. Penso que a tradução estava bem feita, porque tive um 13 (hurra!) e a nota mais alta na turma foi um 15.
    Quando acabei os exames, nem pus os pés na Universidade no 2.º semestre, pois não aguentava tanta desonestidade intelectual.
    Dito isto, a França não é o único mau exemplo, com certeza, mas há mitos que não podem perdurar contra as evidências e têm de me provar muito, muito bem, que há algo de jeito em França por estes dias em todas as áreas onde o mito esconde muitas vezes a vacuidade.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…