Avançar para o conteúdo principal

Pensamento lateral

Quando a banha da cobra da auto-ajuda ainda não tinha o pujante viço que tem hoje, surgiu a ideia de que havia uma maneira especial de pensar. Consistia em pensar para o lado, dando relevância a outra coisa que não o que parece relevante à primeira vista. Talvez esta técnica mais ou menos mágica de pensar seja importante e mereça divulgação. Mas hoje em dia, no contexto dos blogs, faz falta a defesa do pensamento anti-lateral, pois o que mais se vê é alguém escrever um artigo sobre cosmologia e depois os comentários são todos sobre carapaus. Foi o que aconteceu no meu artigo anterior. De modo que é tempo de fazer a apologia do pensamento anti-lateral, e de estimular os comentadores a comentar exactamente o que está escrito e não seja o que for que, por via de interessantes associações de ideias e palavras, lhes ocorre naquele momento. Uma boa regra é: se nada tenho para dizer sobre o que acabei de ler, não vale a pena falar de outra coisa fingindo que estou a falar daquilo. Ao fim ao cabo, ninguém é obrigado a comentar. E o silêncio, muitas vezes, é de ouro.

Comentários

  1. E há ainda o pensamento oblíquo, que consiste basicamente em começar por um lado, mas depressa passar para outro completamente diferente.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente não é apenas nos blogs que tal atitude aparece. Isso que você chama de "pensamento lateral" é recorrente em debates filosóficos, mesmo entre profissionais! Só não sabia que tal procedimento tinha um nome. Agora já sei como nomear a atitude dos que procedem assim.

    ResponderEliminar
  4. ótimo! Nunca soube denominar esse tal de "pensamento lateral", mas já havia percebido a recorrência do mesmo. E também nem sabia que tinha um nome.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. "Pensamento Lateral" será outro nome para pensamento (ou argumentação, neste caso) não pertinente.

    Um argumento (refutação, contra-argumento...) será não pertinente quando não lida (explícita ou implícitamente) com os conceitos propostos no argumento inicial ou na pergunta a que se procura responder.

    abraços

    ResponderEliminar
  7. Sim, Tomás. O termo latino é "ignoratio elenchi".

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…