Avançar para o conteúdo principal

Research, scholarship, education

Esta tríade conceptual resume bem o que deveria ser a missão de qualquer universidade, distinguindo claramente três actividades fundamentais, que não devem ser confundidas, ainda que todas ganhem com a interacção com as outras. Infelizmente, não sei sequer como raio dizer isto em português.

A confusão entre estes três aspectos é recorrente nas zonas mais debilitadas da vida académica. Chama-se “investigação” ou “pesquisa” ao que de facto é, na melhor das hipóteses, mera scholarship: relatos, que podem ser muito importantes e bem feitos, da investigação alheia. Mas a investigação, propriamente dita, é a criação de conhecimento novo; não é repetir o que disse Kant, é fazer o que fez Kant. Por outro lado, sem uma educação sólida, nunca será possível ter bons investigadores, porque ficaram de tal modo mal formados desde o início que na melhor das hipóteses conseguirão fazer relatórios sofríveis sobre o que disse Aristóteles ou Platão.

Quero formular esta tríade em português, mas não sei como. Como traduzir “scholarship” neste contexto? “Research” é investigação (ou pesquisa, no Brasil), “education” é óbvio — mas como traduzir “scholarship”? O leitor pode ajudar-me?

Comentários

  1. O melhor que consigo pensar de pronto é 'estudo'.

    'Exame' não é boa palavra, pelas confusões que causa (com 'pesquisa', com 'prova/avaliação').

    Scholarship implica algo de pesquisa, mas uma pesquisa inicial, de levantamento, bibliográfica. Não ao nível de 'investigação' (que implica produção de conhecimento).

    Mas 'estudo' parece captar o sentido de uma pesquisa para além da educação (transmissão) e aquém da investigação (produção).

    Não deve ser a melhor palavra, mas talvez ajude.

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Relatório, apresentação, descrição.

    ResponderEliminar
  3. Relatório, apresentação, descrição.

    ResponderEliminar
  4. "Erudição" seria excelente; excepto que a palavra tem uma má conotação: exposições áridas de coisas desinteressantes. Daí talvez no inglês surgir "scholarship" em vez "erudition". Não haverá uma palavra como "erudição", mas sem a carga negativa?

    ResponderEliminar
  5. "Preparação". A preparação é um estágio necessário entre a educação e a boa investigação.
    Ficamos ainda com a tríade bem forte: InvestigaÇÃO, PreparaÇÃO e EducaÇÃO.

    ResponderEliminar
  6. Sabedoria, entendimento, reflexão, cultura...Não consigo ver mais opções. Mas também por que raio rejeitar uma expressão potencialmente boa, relegando-a para os que a sujaram? Também já me passou pela cabeça uma expressão com não mais prestígio: ruminação. O processo de rever o que se aprendeu e apurar o que se assimilou para aproveitar para a etapa seguinte (investigação) o que pode ser decomposto em ideias nutritivas, passando as restantes para intestino grosso. Não sei se a ruminação podia ser elevada ao estatuto de uma prática académica, mas fica dada a sugestão.

    ResponderEliminar
  7. "Academismo" seria uma tradução adequada, não fosse a carga negativa que alguns dão ao termo. Curiosamente, atribui-se uma carga negativa ao academismo precisamente por não ser investigação.

    "Estudo" é uma alternativa aceitável. Mas seria bom manter alguma resistência e recuperar o sentido literal de "academismo", pois não temos de nos render ao disparate.

    ResponderEliminar
  8. "Erudição" e "academismo" são as melhores alternativas, não fosse a carga negativa. Das duas, que tem apesar de tudo menor carga negativa é a primeira. Uma alternativa seria "ilustração". Esta quer dizer o mesmo que "erudição", mas não tem a carga negativa. Tem a desvantagem, contudo, de as pessoas comuns pensarem que fazemos banda desenhada na universidade. O que às vezes é verdade, mas sem as imagens.

    ResponderEliminar
  9. Concordo com Aires quanto a 'academismo'. Inclusive, um amigo meu sugeriu "academicismo" (como é comum essa diferença de derivação Portugal-Brasil: cientismo/cientificismo, academismo/academicismo etc.).

    Outro amigo sugeriu 'aprendizado', e comentou: "Só que aprendizado parece tão fraco perante "scholarship", minha mãe chamava isso de "bagagem" escolar."

    Mas acho que isso é mais 'educação'.

    Com relação a 'preparação', não acho um bom termo, vago demais. Para manter a aliteração, sugeriria 'escolarização', mas isso, em português, dá no mesmo que 'educação'.

    Sinônimos possíveis para 'erudição': instrução, agnição, conhecença, proficiência.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. Se bem compreendo ilustração tem que ver com luz, tal como iluminismo. Não ser poderia usar a expressão "Academismo Esclarecido", tal como no período das Luzes havia o "despotismo esclarecido"?

    ResponderEliminar
  12. Por que não traduzir scholarship por "bolsa de estudos" ?

    ResponderEliminar
  13. Erudição me parece boa. Se entendi bem, a ideia da distinção entre research e scholarship é que a primeira não se limita a coleção de fatos.
    Se é assim, e se não der erudição, que tal análise? Aí ficamos com "pesquisa-BR/investigação-PT, análise e educação". Ou não.

    ResponderEliminar
  14. poderia ser duas palavras? que tal APTIDÃO CIENTÍFICA?

    ResponderEliminar
  15. De todas, parece-me que o melhor é "erudição": "Instrução vasta e variada, adquirida sobretudo pela leitura", define o Aurélio. E o Collins define "scholarship" como "academic achievement; erudition; learning". A chatice de a conotação de "erudição" ser má parece um mal menor, considerando as alternativas.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…