Avançar para o conteúdo principal

100 000

Não sou muito de andar a ver as estatísticas de acesso da Crítica. Mas hoje fui ver os registos, e a barreira dos cem mil visitantes únicos foi ultrapassada em Março, com 103 mil visitantes. Em Janeiro 41 mil pessoas diferentes visitaram a Crítica, em Fevereiro 61 mil e em Abril 95 mil. Neste mês de Maio já 60 mil pessoas vieram até cá. Note-se que estas são as estatísticas da revista Crítica, e não deste blog.

A razão pela qual não dou muita importância às estatísticas de acessos é que são em grande parte ilusórias. Primeiro, o sistema procura contar apenas um acesso por pessoa; mas isto é imperfeito porque a mesma pessoa conta como duas sempre que limpa o cache do seu computador ou muda de computador. Segundo, a esmagadora maioria das visitas (79 %) tem a duração de 30 segundos ou menos: são pessoas que estão de passagem, procuram algo e não encontraram o que queriam. De modo que, descontando tudo isto, é razoável considerar que quando se tem 100 mil visitas isso corresponde a cerca de 5 mil leitores reais.

Comentários

  1. Seja como for (quero dizer, mesmo que só com 5 mil), PARABÉNS! Tanto para a Crítica como para o blogue: continuam uma referência de seriedade intelectual.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Já sabe tenha cuidado com o que escreve.... e continue a escrever para eu ler.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigado pelas vossas amáveis palavras.

    ResponderEliminar
  5. PARABÉNS AOS COLABORADORES DA REVISTA. INDICO-A SEMPRE AOS ALUNOS E AMANTES DO CONHECIMENTO. MAS BEM SEI, QUE POUCOS A ACESSAM COM SERIEDADE. EU PORÉM O FAÇO POR PRAZER, APESAR DE POUCO ME MANIFESTAR. O BLOG, ENTÃO, É MUITO BOM!

    ResponderEliminar
  6. parabens ao colaboradores da revista.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…