Avançar para o conteúdo principal

Democracia de fachada

No artigo "Democracia de Fachada" teço algumas considerações sobre o que levará quem verbalmente se diz democrático a agir de maneira anti-democrática. A ideia central é que a democracia, correctamente entendida e praticada, nos põe perante a nossa própria falibilidade epistémica. E o que pensa o leitor?

Comentários

  1. O que é que significa ter Razão? Todo o indivíduo tem as suas perspectivas particulares do Mundo que o rodeia e actua em conformidade, tem convicções e acha que tem Razão!
    Em democracia todos somos ou devemos ser 'políticos' no sentido de cidadão
    responsáveis e interventivos. A intervenção implica acção, que pode ou não agradar e de toda a acção resultam reacções que podem ou não ser adversas. É o confronto das Razões que determina o rumo das Sociedades Humanas, das civilizações. Costuma dizer-se que da discussão nasce a Luz. Calar é caminhar para a destruição. É acumular de energias potenciais que um dia se convertem em catástrofe. O objectivo em democracia não é agradar a todos, mas encontrar pontos de equilíbrio, um valor médio em torno do qual se passeia uma sinusóide.
    O diálogo em Democracia, deve fazer-se com base numa ética e num método que se costuma designar Tolerância e que se deve aplicar a tudo na sociedade e não apenas a questões de raça, religião ou no tratamento de minorias.
    Criticar a Democracia e propor melhoramentos é uma boa prática Democrática. Um trabalho nunca está verdadeiramente concluído. A Democracia Grega e Romana não eram iguais e as praticas eram certamente diferentes das que temos agora.
    A Democracia não é um sistema perfeito, mas também não é suposto ser, mas é de longe o melhor que se arranjou até agora.

    ResponderEliminar
  2. A razão tem aparentemente pouca força num processo eleitoral. E crer que este é racional é bastante ingénuo. As pessoas são aparentemente muito mais regidas por emoções do que por razões. E se é verdade que as emoções nos podem levar a más decisões, o contrário também é verdade.

    ResponderEliminar
  3. Há uma grande diferença entre reconhecer as distorções irracionais dos processos eleitorais e das farsas que são as pseudo-discussões públicas, e 1) aplaudir isso, 2) rejeitar a democracia -- ou, pior, 3) dizer que se aceita a democracia quando na verdade só se aceita a manipulação verbal e emocional que constitui a sua distorção e não a sua efectivação honesta.

    ResponderEliminar
  4. E se a democracia não é isso - pelo menos em parte? -, resta saber se existe.

    ResponderEliminar
  5. Para saber se a justiça existe é preciso começar por ter uma ideia razoavelmente clara do que é a justiça. Para saber se a democracia existe é preciso começar por ter uma ideia razoavelmente clara da democracia.

    ResponderEliminar
  6. O novo link do artigo: http://criticanarede.com/democracia.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…