Avançar para o conteúdo principal

Fugir da filosofia

Já falei noutro apontamento da curiosa fuga constante da filosofia para outras coisas (literatura, lógica, psicologia, história, etc.); esta atitude poderá resultar de ao entrar na universidade se descobrir com espanto que o conceito popular de filosofia (algo parecido com auto-ajuda, mas com citações de verdades arcanas) ser afinal falso: não é isso que encontramos nos textos de Platão ou Aristóteles, Ockham ou Descartes, Hume ou Kant, Russell ou Frege. Num texto antigo e muito retórico, "O Fariseu", falei ironicamente dos profissionais da filosofia que não têm o mínimo interesse pela sua própria disciplina. E o que pensa o leitor?

Comentários

  1. Eu não teria como falar com precisão agora, mas também não haveria o problema inverso de uma extrapolação indevida do discurso filosófico sobre problemas científicos ou de outra natureza? Penso que cada discurso tem seus limites, seu intervalo em que é capaz de asserir algo com propriedade. Não digo sobre a filosofia, mas me parece que, de maneira geral, na academia, as pessoas se encastelam em suas disciplinas e gostariam de "reduzir todas as explicações possíveis sobre o mundo" a suas áreas. Como diz o ditado, cada macaco no seu galho. Gostaria que falasses sobre isso, Desidério, expondo como a filosofia pode se valer dos resultados fornecidos pela ciência - em especial, pelas ciências humanas, por favor - e em como esta pode se valer da especulação filosófica. Ademais, ressaltar alguma outra intromissão ou evasão indevida e perniciosa existente e, por ventura, não abordada ou ressaltada por ti.

    Um grande abraço,

    ResponderEliminar
  2. Devemos adaptar os métodos de estudo à natureza do objecto. Não faz sentido tentar ouvir um quadro, literalmente falando, nem ver uma sonata. Mas para lá destes casos óbvios, parece-me uma ilusão pensar que antes de tentar estudar algo já sabemos qual é a maneira apropriada de o estudar. Pelo contrário, parece-me que descobrimos isso à medida que estudamos. É isso que vemos na história da ciência, por exemplo, ou na história da arqueologia: aprendemos ao tentar e inventamos os melhores métodos de que somos capazes nessa tentativa.

    O que poderá fazer alguém querer estar na posse de todas as explicações últimas da realidade não é com certeza curiosidade e vontade de saber, mas antes a vaidade de parecer tudo dominar. Dificilmente podemos aceitar como sensata a ideia de que toda a realidade pode ser estudada ou resumida numa só área disciplinar.

    ResponderEliminar
  3. Desidério,

    Acho que tocaste num ponto muito importante. A vaidade de tudo dominar, algo muito diferente da curiosidade e da vontade de fazer. Junto a isso, penso que também acontece a negação de certos problemas, seu contorno sem uma resposta satisfatória. De fato, é o que acontece quando alguém deixa a filosofia e parte para uma outra explicação: deixou o problema de lado. Estudo ciências sociais e vejo na filosofia um papel fundamental na organização de nosso pensamento e na de um debate em qualquer área; além de tantos outros que o fazer filosófico tenha; v.g., o de que crença alguma seja aceita sem exame crítico prévio. Comecei a estudar Teoria da Escolha Social e é um tanto engraçado ver como alguns economistas têm uma visão demasiado pobre do homem, postulando-o um ser de "razão pura" e conferindo caráter ontológico àquilo que metodologicamente pode ser de grande valor sob certas condições muito bem delimitadas. Penso que o saber filosófico direcione-nos a uma consideração universal do mundo, sem os "ranços" particularistas que se desenvolvem em muitas ciências. Isso não se encontra muito, de maneira tão pronunciada e sistematizada, fora da filosofia.

    Um grande abraço,
    e desde já agradeço pela atenção e pela paciência em responder-me: acredito que é no diálogo que se formam bons pensadores e logo pretendo estar em um patamar mais alto de modo a melhor contribuir com este blog.

    ResponderEliminar
  4. O novo link do artigo: http://criticanarede.com/ed32.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.