Avançar para o conteúdo principal

O absurdo segundo Nagel

Acabo de publicar o artigo "Nagel e o Absurdo da Vida", de Matheus Silva, que argumenta que o argumento de Nagel a favor do absurdo da vida não colhe. E o que pensa o leitor?

Comentários

  1. Inclino-me mais a favor dos contra-argumentos aos argumentos de Nagel. Se a vida fosse absurda, não seriam as contingências e a especificidade da vida humana que fariam a vida ser absurda. Mas reconheço que a “arbitrariedade” da morte voluntária é necessária para que se considere a vida humana absurda. Seguindo Camus, é o suicídio que justifica que a vida seja um absurdo. Ora, a maioria dos humanos não se suicida. Se a vida fosse um absurdo, seria de esperar que o suicídio fosse a regra e não a excepção. A vida é um supremo bem, um valor que vale a pena ser vivido, independentemente das suas contingências. O sentido da vida é o seu próprio valor. E o sentido da vida é a procura da felicidade de todos.

    ResponderEliminar
  2. F.Dias: eu não penso que uma maior ou menor frequência das taxas de suicídio seja relevante para a justificação do sentido da vida. As pessoas podem dar cabo da própria vida por diversas motivações psicológicas injustificadas. Admitir esse tipo de raciocínio é como admitir, por exemplo, em filosofia da morte, que o fato das pessoas terem ou não medo de morrer torna a morte um mal: é óbvio que o medo das pessoas pode ser irracional, e nesse caso o medo é irrelevante para o problema.

    Uma experiência mental que mostra como esse raciocínio não funciona é o seguinte: imagine que coloco uma droga na maior parte dos reservatórios de água do mundo todo. Quando as pessoas bebem da água contaminada elas se tornam deprimidas e logo em seguida se matam. Em consequência, a humanidade inteira, exceto eu, irá se matar. Isso prova que não valia a pena viver antes dessa onda alarmante de suicídios? É claro que não.

    ResponderEliminar
  3. Não creio que o sentido da vida necessite de justificação. A crença de que a vida tem sentido é uma crença básica, assim como a crença no mundo exterior.

    Além disso, penso que a expressão "sentido da vida" envolve diversos significados que, na minha opinião, são confundidos ao longo da discussão. Podemos, por exemplo, pensar "sentido" como sinônimo de "compreensão" ou "inteligibilidade"; ou como "meta", que diz respeito à intenção, direção ou finalidade - e pressupõe ponto de partida e ponto de chegada; e, por fim, como "valor", que diz respeito à importância e dever. Certamente que há implicações entre tais noções, mas as perguntas e respostas relacionadas a cada uma delas não são necessariamenta as mesmas. Ora, é possível chegar à conclusão de que a vida tem sentido e uma meta determinada, mas não tem valor. Com efeito, sob um outro ponto de vista, uma pessoa que diz que a vida não tem valor e continua viva está caindo em uma espécie de "auto-contradição performativa".

    Se cabe aqui uma provocação, na minha opinião, as discussões que tenho visto entre filósofos analíticos (até onde cheguei a ler), sobre tal assunto, padecem de falhas graves. Por exemplo, muitos ignoram o papel das tonalidades afetivas para a discussão do sentido, da meta e do valor da vida.

    Heidegger e a tradição da filosofia existencial aceitam a tese de que as tonalidades afetivas tem um papel fundamental na compreensão pré-proposicional ou pré-predicativa (o "saber-como") das situações vividas. E, neste caso, embora os analíticos arrogantemente zombem da obscuridade dos continentais, estes parecem ter a vantagem de uma discussão mais abrangente e não simplesmente reduzida a aspectos cognitivos como a justificação de crenças.

    ResponderEliminar
  4. Olá,

    Em meu blog (Nypoa.wordpress) publiquei uma defesa ao artigo de Nagel, com base na crítica aqui apresentada. O post é muito longo para estar aqui como comentário, portanto mostro apenas a conclusão. Será muito valioso para mim receber críticas desse post.

    []s,

    Nypoa
    ---
    Conclusão

    Sobre as objeções apresentadas, acredito que a primeira erra o alvo, tratando-se de fato, de uma constatação circular que nada opõe à questão da necessidade da contingência para a absurdidade da vida. Se partirmos da hipótese de que a vida é contingente, então ela será absurda. Mas essa hipótese não foi objetada, apenas foi apresentada a reciproca disso, o que é irrelevante parea a questão.

    Sobre a alegada solução que Nagel dá ao problema, ela me parece equivocada. O que Nagel de fato afirma é que o paradoxo, apresentado desde um ponto de vista objetivo, acaba por subestimar demasiadamente o ponto de vista subjetivo, que é onde a vida encontraria seu sentido (intrínseco).

    ResponderEliminar
  5. Este é o novo link do artigo: http://criticanarede.com/nagelabsurdo.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.