Avançar para o conteúdo principal

Racionalidade distribuída

Quando li pela primeira vez Sobre a Liberdade, de John Stuart Mill, obra publicada pela primeira vez em 1859, fiquei surpreendido com um aspecto epistémico que não tinha visto mencionado pelos historiadores e comentadores (ainda que eu esteja longe de conhecer a bibliografia sobre esta obra). Mill defende uma tese epistémica extremamente forte, mas muitíssimo plausível, sobre a racionalidade: o que chamo tese da racionalidade distribuída. O que pensa o leitor?

Comentários

  1. Corrija-me se estiver enganado, mas você retira suas teses sobre racionalidade distribuída do segundo capítulo "Da liberdade de pensamento e discussão", que é o primeiro grande estudo de caso apresentado por Mill a favor da "liberdade social ou civil". Mas a mesma tese - de que os homens somente chegam à plenitude na busca pela verdade EM COMUNIDADE - você a encontra na "Antropologia de um ponto de vista pragmático" de Kant. Kant estuda as várias formas de egoísmo e uma dessas formas é o egoísmo lógico, ou seja, a atitude segundo a qual posso alcançar as verdades e obter os melhores argumentos SOZINHO. Se não estou enganado, o mesmo tema ocorre em algumas "Lectures on Logic" - os cursos de lógica de Kant - mas nesse momento não estou com o livro para poder conferir.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela referência, Frank! Nunca li esses textos de Kant, vou ver isso.

    ResponderEliminar
  3. É de facto uma tese interessantíssima e que não fazia ideia de estar incluída no pensamento de Mill. Quanto ao carácter social da racionalidade, diversos são os estudos de sociologia e de psicossociologia que o confirmam. Infelizmente, como Desidério Murcho afirma com correcção, esta constatação conduz frequentemente alguns semi-doutos a quererem daqui inferir que "todo o conhecimento é relativo". É algo que pessoalmente me espanta: por que razão haveria o conhecimento construído colectivamente de ser mais erróneo que o conhecimento de um só indivíduo? Se virmos bem, é quase absurdo crer nisto. A verdade parece-me ser que apenas se chega, amiúde, a meio caminho: primeiro, constata-se que o conhecimento é socialmente constituído; depois, parece que se chega a uma espécie de nostalgia não assumida do solipsismo gnoseológico e se critica o conhecimento por ser... socialmente constituído. O facto de haver diversas interpretações do mundo não implica que elas sejam equivalentes sob todos os pontos de vista.
    A. Martins

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…