Avançar para o conteúdo principal

concurso filosofia da música 2


Como anunciei quando do concurso para o livro do Peter Kivy, ganho pelo leitor Filício Mulinari, lanço um novo concurso, desta vez para um exemplar do livro "Works of Music, an Essay in Ontology" de Julian Dodd, OUP, 2007.
Nesta obra, já divulgada na Crítica, o autor defende o realismo platónico acerca de obras musicais, a perspectiva segundo a qual as obras são tipos abstractos incriáveis, normativos, cujos espécimes são os acontecimentos sonoros a que chamamos «interpretações» ou «performances». Publiquei há pouco a tradução de um artigo de Andrew Kania onde podemos encontrar uma breve crítica ao pensamento de Dodd. Na obra de Dodd encontramos críticas pormenorizadas às propostas de ontologia rivais, como as de Levinson, David Davies, Stephen Davies, Currie, Pearce, Cox, e outros, pelo que constitui também uma boa introdução à ontologia musical, que é um dos problemas estudados em filosofia da música.

Assim, até dia 15 de Outubro, o melhor texto breve (2 a 3 páginas de Word) sobre a questão «Serão as propriedades contextuais relevantes para a identidade de uma obra musical?» será premiado com um exemplar deste livro. Por «propriedades contextuais» entende-se as propriedades que dependem do contexto em que a obra é composta ou apreciada, da biografia do autor, da cultura musical em que se insere, ou que envolvem algum género de referência a realidades exteriores ao puro padrão sonoro que a partitura representa. Os textos deverão ser enviados para AQUI até às 24:00 do dia 15. Bom trabalho aos interessados.

Comentários

  1. Nota: os textos não devem conter quaisquer citações e devem focar-se exclusivamente no tema. É de evitar qualquer digressão não argumentativa. As referências eruditas que não sejam directamente relevantes ou necessárias para a discussão não enriquecem os textos, empobrecem-nos. Os textos que não contenham argumentos serão desconsiderados. Em todos os outros, só o conteúdo argumentativo será considerado, o resto ignorado.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…