Avançar para o conteúdo principal

Gradiva de cara lavada


O site da Gradiva está de cara lavada e tem em promoção vários livros, incluindo da Filosofia Aberta, com descontos até 30%.

Comentários

  1. Mais, têm bons livros da Filosofia Aberta que dificilmente se encontram nas livrarias, como o dicionário do Blackburn, o livrinho do Paul Sagal e outros.

    ResponderEliminar
  2. Olá, sou uma aluna do 11º ano e gostaria de lhe colocar uma questão: qual a diferença entre um não argumento e um argumento inválido? São sinónimos, ou não? Por exemplo, no conjunto de frases a seguir, quais constituem um argumento e quais são um não argumento?

    1. Todos os venenos são mortais e algumas serpentes são venenosas. Por isso, alguns cães são bons amigos de algumas pessoas.

    2. Dado que estimamos pessoas honestas, estimamos o João.

    3. Não devemos admirar-nos de que o ferro flutue no mercúrio. Este
    é mais denso do que aquele.

    4. Estuda bem e de forma organizada e terás boas hipóteses de obter boa nota no exame.

    5. Não quero ir à escola. Não tenho sapatos que se vejam.

    6. No Irão os adúlteros de ambos os sexos são punidos com a lapidação pública. Os homens que cometem adultério, são enterrados até à cintura e apedrejados; as mulheres adúlteras são-no também, só que são enterradas até aos sovacos. Quem conseguir libertar-se é ilibado.

    Muito obrigada pela atenção!

    PS: Pesquisei em vários compêndios de Filosofia, inclusive num dicionário de Filosofia, tendo a minha pesquisa sido inconclusiva...

    Maria Melim

    ResponderEliminar
  3. Os brasileiros podem ter algumas dúvidas ao realizar o cadastro no site da Gradiva, e por isso vale a pena esclarecer algumas delas:

    Morada = endereço

    ZIP = CEP

    Localidade = cidade

    VAT = CPF

    ResponderEliminar
  4. Prof. Desidério,

    Muito obrigada pela sua resposta! A leitura do artigo que me recomendou foi muito útil! No entanto, a minha dúvida relativamente à distinção de não argumento e argumento inválido persiste...
    Segundo o que refere no artigo, “Um argumento é um conjunto de proposições em que se pretende que uma delas (a conclusão) seja justificada ou sustentada pela outra ou outras (a premissa ou premissas).”. A questão é que, segundo o que percebi, um argumento inválido é um argumento que tem uma forma lógica tal que a verdade das premissas não garante a verdade da conclusão. Ora, se tal acontece, não me parece que um argumento inválido constitua um argumento (se a verdade das premissas não garante a verdade da conclusão, então esta última não pode ser sustentada pelas premissas e, como tal, não é um argumento...). Mas se se diz argumento inválido, é porque se trata de um argumento...

    Como a definição de argumento inválido não me parece que esteja incluída na de argumento, muito menos compatível com a última, não percebo se um argumento inválido se trata de um não argumento, ou se um não argumento simplesmente não é argumento.

    Tome-se como exemplo um argumento citado no seu artigo: “Platão era grego; logo, a neve é branca.”. Trata-se de um argumento inválido. Mas por que razão é um argumento, se a conclusão não é justificada pela premissa? Será um não argumento? E será este sinónimo de argumento inválido?

    Obrigada pela atenção!

    Maria Melim

    ResponderEliminar
  5. Não entendeste correctamente. Num argumento pretende-se que as premissas sustentem a conclusão. Se for inválido, o que se pretende não ocorre. Assim: temos um argumento quando alguém pretende sustentar uma proposição com outra ou outras. Se essa pretensão for satisfeita, o argumento é válido. Se não, é inválido.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…