Avançar para o conteúdo principal

Morreu a filósofa Philippa Foot

Philippa Foot (1920-2010) morreu tranquilamente ontem, dia 3 de Outubro, com noventa anos de idade, na sequência de vários problemas de saúde. Foot é, sem dúvida, um dos mais destacados nomes da ética dos últimos 50 anos. A filósofa britânica popularizou-se sobretudo como autora da famosa experiência mental do problema do trólei e pelo seu ataque à ética consequencialista. Mas a sua obra filosófica vai muito além disso. Deixo aqui a entrada que escrevi sobre ela no Dicionário Escolar de Filosofia:

Filósofa inglesa, professora de filosofia moral em Oxford e na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, destacou-se como defensora contemporânea da ética das virtudes, de inspiração aristotélica. Assim, em alternativa às éticas baseadas no dever – as éticas deontologistas – e às éticas baseadas no resultado dos nossos actos – as éticas consequencialistas – Foot argumenta a favor de uma teoria ética normativa baseada nos traços de carácter. Começou, contudo, por publicar, nos anos 50 do séc. XX, importantes artigos sobre metaética e só posteriormente acabou por se virar para a ética normativa, sendo muito discutido o seu ataque ao consequencialismo. Os seus livros mais importantes são Virtudes e Vícios (1978), Bondade Natural (2001) e Dilemas Morais (2002).

Comentários

  1. Apenas uma correcção: nasceu em 1920, e não em 1910. Como escreveu correctamente a idade, deve ter sido um lapso ao escrever o ano de nascimento.

    ResponderEliminar
  2. Pois, enganei-me. Já está corrigido. Obrigado, Carlos.

    ResponderEliminar
  3. Eu queria dizer que sem dúvida uma pessoa excepcional! Bastante admirável!

    Mas estou em duvida se meu comentário ou é mero ruído, ou irrelevante, ou frívulo. Insulto já aviso que não, é apenas uma mínima homenagem.

    ResponderEliminar
  4. It could be very hard occasionally to create ends meet and
    you could find which a payday loan seems being a great as well
    as simple option at the time pay day loans uk dodgy business collection agencies tactics used by
    a firm acting for major high street stores happen to be slapped
    down.

    ResponderEliminar
  5. But you ought to allow them to have back the rights over your
    property until you repay the credit as collateral
    Compare payday loans uk the ability to get
    that loan in 60 minutes without any credit check,
    no teletrack with no faxing means that the payday advance lender is having a risk.

    ResponderEliminar
  6. Similarly, think about organizations with your
    community that could offer such funds payday loans
    you also must consider the length of time you'll like the borrowed funds term to last.

    ResponderEliminar
  7. This is really interesting, You're a very skilled blogger. I've joined
    your feed and look forward to seeking more
    of your fantastic post. Also, I have shared your web site in my
    social networks!

    my site :: how to get pregnant fast

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…