Avançar para o conteúdo principal

Em defesa do tecnicismo


Sven Ove Hansson, director da Theoria, revista sueca de filosofia, argumenta aqui que os filósofos têm o direito, e até o dever, como outros especialistas de outras áreas, de ser técnicos. Eu concordo, mas talvez o leitor discorde. Fica aberta a discussão.

Comentários

  1. A investigação tem de ser técnica, mas a divulgação de alguns dos resultados dessa investigação tem de ser não técnica, se quiser ser bem feita. Já vi lógicos que não compreendem essa idéia básica e acabam confundindo as duas coisas: divulgam resultados técnicos de maneira técnica, inacessível para os não iniciados na área, e pensam que isso é sinônimo de rigor.

    ResponderEliminar
  2. Uma sugestão de correção picuinha. Na frase

    "Para ajudar alguma coisa os filósofos terão de fazer algo muito mais difícil, como descobrir consequências não óbvias de pontos de certos vista morais".

    não seria "... de certos pontos de vista morais"?

    ResponderEliminar
  3. Ser-se filósofo no meu ponto de vista é executar uma actividade dinâmica em que o seu trabalho tem de ser avaliado num ponto de vista pragmático. E esta avaliação pode ser, pelo menos, em dois sentidos: com os pares da sua área disciplinar (i.e., com outros filósofos), ou através de outras áreas disciplinares (seja professores, físicos, psicólogos, etc., etc.). Isto porque acho que não existe esta ideia de 'grande público' per se. E se o filósofo, ou qualquer pessoa que deseje comunicar, pretende obter apoios, ou ser 'ouvido', está condenado a ter de escrever ou falar para uma área/público distinto e segmentado.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Seria necessário esclarecer em que sentido deve ser tomado o conceito "técnico".
    Por exemplo, o filósofo Fernando Gil escreveu que algum "requinte técnico da filosofia analítica disfarça um nível teórico assaz grosseiro". Importaria aqui, é claro, elucidar também o conceito de "teórico".
    Um exemplo apresentado pelo Professor Fernando Gil: fará sentido, filosoficamente, introduzir um instrumento tão fino como a análise modal para abordar o mind-body problem? Em alguns casos eu creio que sim, mas, mas...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…