Avançar para o conteúdo principal

Nietzsche e a lógica


Afinal, o que pensava Nietzsche sobre a lógica? É o que Steven D. Hales procura esclarecer neste artigo que acabo de publicar, com tradução minha.

Comentários

  1. Resta questionar: será aceitável a crítica de Nietzsche à metafísica realista? Será a verdade "perspectívica"? Não será que esta concepção da realidade conduz apenas a subjectivismos e relativismos?

    ResponderEliminar
  2. Excelente e esclarecedor artigo. Talvez seja necessária uma depuração, como a de Hales, para que pensamento de filósofos continentais tornem-se actuais à linguagem usada pelos analíticos. O ponto de vista do autor é portanto que tal trabalho é profícuo para ambas as tradições.

    Obrigado pela pesquisa e tradução, Desidério!

    ResponderEliminar
  3. Caro Desidério,
    obrigada pela tradução!
    Assim, os alunos que ainda não dominam a língua inglesa podem ter acesso ao texto, o que é ótimo!

    ResponderEliminar
  4. Domingos,

    podemos questionar se o "perspectivismo" de Nietzsche é verdadeiro ou falso, mas não com base nas consequências desse perspectivismo (subjectivismos e relativismos).
    Até porque podemos ser perspectivistas metafísicos sem sermos subjectivistas ou relativistas morais.

    abraço,


    Tomás Magalhães Carneiro (não sou o TMC ;)

    ResponderEliminar
  5. Olá Tomás,

    Podes explicar-me melhor a seguinte expressão?
    "Até porque podemos ser perspectivistas metafísicos sem sermos subjectivistas ou relativistas morais". Mas, uma perspectiva metafísica subjectivista não pode conduzir também a uma perspectiva moral subjectivista?

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  6. Obrigado pela tradução e por demonstrar, através deste artigo, como uma leitura mais atenta e cuidada nos permite ver a riqueza e complexidade do pensamento de Nietzsche.

    ResponderEliminar
  7. Olá, Gisele! E eu agradeço a referência ao artigo, que não conhecia. Espero que seja útil a sua versão portuguesa, para estudantes e professores.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. "Olá Tomás,

    Podes explicar-me melhor a seguinte expressão?
    «Até porque podemos ser perspectivistas metafísicos sem sermos subjectivistas ou relativistas morais». Mas, uma perspectiva metafísica subjectivista não pode conduzir também a uma perspectiva moral subjectivista?"

    Olá Domingos,

    pode, mas o facto de não aceitares o "perspectivismo moral" não prova que o "perspectivismo metafísico" de Nietzsche esteja errado. Estamos simplesmente em dois campos conceptuais diferentes.

    Repara que eu posso defender como Nietzsche que os objectos são construções humanas (i.e. perspectivas)que satisfazem os nossos interesses e aí estou a ser um antirrealista metafísico, mas ao mesmo tempo defender que existem verdades morais (como convenções, Regras de Ouro, etc.) às quais nos devemos ater, e aí estou a ser realista moral.

    No primeiro estamos no campo do Ser e no segundo do Dever-ser.

    O meu reparo ao teu comentário é que se estás a falar de "subjectivismos e relativismos" no sentido moral, de uma posição "perspectivistica metafísica" não se segue uma "posição relativista moral" (como acho que demostrei em cima).

    Se, por outro lado, estás a falar de "subjectivismos e relativismos" metafísicos a tua pergunta contém em si a reposta:
    "Não será que esta concepção da realidade (o perspectivismo) conduz apenas a subjectivismos e relativismos?"
    Parece-me que se não sais do sentido metafísico a resposta é simplesmente "Sim", uma vez que o "perspectivismo é um tipo de subjectivismo e um tipo de relativismo.

    abraço,
    Tomás

    ResponderEliminar
  11. Tomás, obrigado pelo teu comentário... Mas, mesmo assim ainda não fiquei totalmente convencido!

    Se eu defender o perspectivismo metafísico parece que também estou a defender o perspectivismo moral ou ético. Pois, por exemplo os valores éticos fazem parte da realidade; e se eu concebo a estrutura última da realidade (a metafísica) de um forma perspectivista ou subjectivista, então parece que também concebo implicitamente os valores éticos de forma perspectivista ou subjectivista (pois, estes fazem parte da realidade). Estarei a ver errado?

    Ser um anti-realista metafísico e um realista moral não parece uma contradição?

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  12. Domingos:

    Perguntas "Ser um anti-realista metafísico e um realista moral não parece uma contradição?"

    Não só não me parece uma contradição como me parece também que se, por hipótese, quiseres provar o teu "perspectivismo moral" apenas a partir do teu "perspectivismo metafísico" estarás a cometar uma falácia naturalista, ou seja, estarás a partir de uma proposição metafísica ("a realidade é uma perspectiva") para inferir uma proposição ética ("o bem é uma perspectiva").

    Ou seja mesmo que, como dizes, os valores éticos "façam parte da realidade" não são identicos à realidade, como tal fica por justificar essa passagem "do que é" ao que "deve ser".

    De todas as formas não é por não aceitares as suas putativas consequências ("subjectivismos e relativismos", nas tuas palavras) que provas que o perspectivismo de Nietzche está errado. Isso apenas mostra que achas as suas consequências inaceitáveis, e a isso Nietzsche (ou um nietzscheano) poderia responder,
    "É a vida. Paciência!"

    ab

    ResponderEliminar
  13. Este é o novo link para o artigo: http://criticanarede.com/nietzlogica.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…