28 de janeiro de 2011

Filosofia em directo


O meu livro está já disponível nas livrarias: a edição de capa dura (5 euros, 4.50 euros com desconto) e capa mole (3.50 euros, 3.15 euros com desconto). Mais informação sobre o livro aqui.

20 comentários:

  1. Parabéns, Desidério!

    Por aquilo que tive oportunidade de bisbilhotar - li um fragmento e vi que tópicos abordas - parece-me que este é mais um precioso contributo para a divulgação da actividade filosófica.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado, João Paulo! Espero que goste do resultado final. Todas as críticas e sugestões são bem-vindas.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns!
    Sairá no Brasil? Tenho acompanhado seus escritos aqui no site e aprendido muito com eles.
    Teria muito interesse em adquirir seu novo livro.

    Joedson Silva

    ResponderEliminar
  4. Para já, não está prevista uma edição brasileira. Mas talvez surja algum editor no Brasil que queira publicá-lo.

    ResponderEliminar
  5. Estimado Desidério,
    brasileiro e residente no Brasil que sou, como faço para adquirir teu novo livro? Alguma livraria virtual portuguesa o venderá? Tens exemplares disponíveis em tua posse?
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado pelo interesse. O livro estará à venda na wook.pt, que é a maior livraria online portuguesa. Provavelmente, estará à venda também na Livraria Cultura. Eu não tenho quaisquer exemplares para vender.

    ResponderEliminar
  7. Não foi fácil encontrar o livro. Só na terceira banca de jornais aqui na zona dos restauradores/avenida da liberdade é que o encontrei à venda.

    ResponderEliminar
  8. Espero que gostes, Parente. Todas as críticas e sugestões são bem-vindas. Pelo que sei, há relativamente poucos livros nas bancas -- um ou dois apenas em cada banca. Mas na próxima semana já estarão à venda nas livrarias, ligeiramente mais caros.

    ResponderEliminar
  9. No Funchal até nem tive dificuldade em encontrá-lo. E por cá o despachante até cobra mais 1€. Como tenciono oferecer este livro a vários amigos, comprei já hoje o 1º exemplar. Na Fnac, para quem tem cartão aderente, o de capa dura ficará por uns 4.50€.
    Bom livro

    ResponderEliminar
  10. Parece que é um livro excelente para toda a gente. E parece que pode ser útil para os alunos do ensino secundário :)

    ResponderEliminar
  11. As aparências iludem muitas vezes, Domingos. Espero que esta não seja uma delas.

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que as aparências aqui não iludem. O livro está acessível. Miúdos e graúdos podem lê-lo e desfrutarem de filosofia sem grandes complicações nem obscuridades. Ainda não li todo, mas até agora estou a gostar muito.

    ResponderEliminar
  13. Hoje deparei-me com uma surpresa agradável:
    Em cima da mesa de um aluno (11.º B1) estava um pequeno livro cuja capa reconheci imediatamente, era a “Filosofia em Directo” de Desidério Murcho!
    A iniciativa fora do professor de Filosofia e os alunos iam comentando quais eram os pontos de venda onde ainda não tinha esgotado e quem vivia lá perto para comprar para os outros. É claro que este comentário não está aqui para que os meus alunos não se esqueçam de comprar um para mim (Hi! Hi! Hi! Hi!), mas sim para felicitar o Desidério!

    Espero que esta atitude de divulgação nas escolas seja precursora.

    Bom trabalho Desidério e obrigado!
    Té,

    ResponderEliminar
  14. Obrigado, Zé! Recebi agorinha mesmo o livro, de modo que só agora pude folheá-lo.

    ResponderEliminar
  15. Bom trabalho de quem acha que divulgar filosofia não é necessariamente degradá-la.
    Em Portugal a Academia sempre considerou o trabalho de divulgação filosófica como uma ocupação menor e, não obstante algum seguidismo escolástico (típico de uma certa "tradição analítica"),o Desidério tem feito um esforço meritório para contrariar a estreiteza deste preconceito.

    Paulo Ferreira

    ResponderEliminar
  16. Obrigado pelas suas palavras.

    É capaz de explicar o que entende por seguidismo escolástico e dar exemplos em que isso ocorre?

    ResponderEliminar
  17. Caro Desidério

    Naturalmente, o meu remoque não pretende ser ofensivo. Não relativamente ao “seguidismo” e muito menos ao “escolástico”.
    É verdade que alguma filosofia analítica, devido ao seu excessivo tecnicismo é comparada à filosofia escolástica tardia (virtudes e perigos da analogia). Fê-lo em Portugal Fernando Gil, embora, naturalmente, a tese seja discutível e inadequada a algumas áreas da designada “filosofia analítica”.
    Quanto ao “seguismo”, talvez tenha sido um lapsus calami, reconheço. No entanto, apesar de valorizar a importância da “abordagem” (digamos assim) analítica da filosofia – votada a um ostracismo inadmissível em algumas faculdades -, não posso deixar de constatar alguma inflexibilidade e fechamento de uma certa filosofia analítica (há várias, naturalmente) em relação a outras perspectivas. Tratava-se disto, simplesmente.
    Saudações cordiais

    ResponderEliminar
  18. Obrigado pelo esclarecimento e pela cordialidade!

    Eu fiquei algo perplexo com a sua afirmação porque uma das coisas que me interessou na filosofia analítica, quando era estudante, era a possibilidade de discutir as ideias e argumentos dos filósofos, possibilidade que na filosofia oficial portuguesa era proibida — da maneira maneira mais insidiosa, que é não dando sequer a possibilidade de tal acontecer por falta de instrumentos adequados. E eu não me via a fazer doxografia, ainda que com muitos jogos de palavras para simular supostas originalidades interpretativas.

    Por outro lado, quando vejo um certo tipo de referências à escolástica pergunto-me três coisas. Primeiro, que autores escolásticos a pessoa leu para falar deles com tanta desenvoltura. Segundo, se terá consciência de estar apenas a dar voz à campanha que muitos intelectuais, pelos mais diversos motivos e nem todos recomendáveis, encetaram a partir do séc. XVII contra a cultura e pensamento medieval. Terceiro, em que medida autores Thomas Nagel ou Bernard Williams, por exemplo, são mais tecnicistas do que Husserl ou Lacan.

    ResponderEliminar
  19. Olá Desidério,

    Li o trecho do livro disponível na internet e o considerei muito agradável. Pelo tamanho do livro e pelo preço acessível, creio que poderia torná-lo disponível no formato de e-book na Amazon. O que acha da idéia. Assim você não teria nem mesmo que se preocupar com lidar com editoras. Dada a escassez de e-books em língua portuguesa provavelmente os seus livros iriam se destacar e serem divulgados mais facilmente. Abraços e boa sorte.

    ResponderEliminar