Avançar para o conteúdo principal

Cuidado com os especialistas

Comentários

  1. «O especialista é um homem que sabe cada vez mais sobre cada vez menos, e por fim acaba sabendo tudo sobre nada.»

    George Bernard Shaw

    ResponderEliminar
  2. O argumento que a Noreena nos traz não é novo, mas é apresentado de forma extremamente convincente. A primeira vez que ouvi falar no excessivo poder concedido aos peritos (ou especialistas) foi no contexto académico, num artigo publicado em 2000 no British Medical Journal (Sackett DL. The sins of expertness and a proposal for redemption. BMJ 2000; 320: 1283). O seu autor, médico e investigador aposentado, defendia que a opinião de peritos - como ele próprio - fazia mais mal do que bem ao avanço científico. E exortava à reforma compulsiva e a o dar lugar aos mais novos.

    No essencial concordo com este ponto de vista mas considero, no entanto, que o argumento principal cai na falácia da petitio principii, na medida em que é necessário ser-se um perito para transmitir a mensagem de que a opinião dos peritos é sobrevalorizada... Como contornar este problema?

    ResponderEliminar
  3. Olá, Manuel

    Penso que a sua interessante dificuldade não se põe, porque não se trata de argumentar que devemos deitar ao lixo as opiniões dos especialistas, mas antes que devemos exercer sobre elas o mesmo saudável sentido crítico que exercemos com quaisquer outras opiniões. Um aspecto interessante da nossa psicologia revelado por Noreena Hertz é que quando as pessoas estão a ouvir ou ler opiniões de especialistas as zonas de análise crítica do cérebro se desligam literalmente; ora, o que precisamos é que isso não aconteça.

    Se me permite uma nota pessoal, o mais desconcertante nisto, para mim, como professor, é a recusa que a maior parte dos alunos tem perante a atitude crítica: preferem mil vezes que eu debite umas coisas quaisquer que possam decorar e esquecer, do que compreender e avaliar cuidadosamente o que eu digo. Poderá haver da parte das pessoas limites cognitivos biológicos que as impedem de exercer as suas capacidades críticas quando os assuntos são mais complexos do que a cerveja, a novela e o futebol.

    ResponderEliminar
  4. Este vídeo devia ser visto por todos os professores que querem cultivar a autonomia crítica dos seus alunos na sala de aula (e que professor não o quer fazer?)

    Noreena Hertz revelou um facto biológico dos seres humanos extremamente preocupante. Parece que ao ouvir um especialista numa determinada área o ser humano tendencialmente desliga de forma involuntária a parte do seu cérebro responsável pelo "sentido crítico" e pelas tomadas de decisão.

    Ora na sala de aula o especialista é o professor e os seres humanos que desligam o seu "sentido crítico"... bem, todos sabemos quem são.

    Ou seja, parece-me que somos obrigados a concluir que para exercitar a autonomia crítica dos seus alunos o professor tem de deixar de ser o especialista na sala de aula.

    E isto implica mudanças enormes não só na atitude que assume perante os seus alunos mas também na atitude que assume perante a sua disciplina - tem de genuinamente passar a encarar a disciplina como um problema a resolver (com os seus alunos) e não como um problema que foi resolvido por outros fora da sala (especialistas).

    Encarar a sua disciplina como um problema vivo é, a meu ver, a única forma de cultivar e fomentar o sentido crítico dos alunos cativando-os para a discussão activa de ideias, para o desacordo numa palavra, para a rebelião - parafraseando Hertz.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…