Avançar para o conteúdo principal

De que trata a epistemologia?


Jonathan Dancy explica aqui, de modo sucinto mas informativo e rigoroso, quais são os problemas centrais da teoria do conhecimento ou epistemologia.

Comentários

  1. Explain Your Bad Credit History - Don't assume that a rental complex's credit
    requirements are occur stone quick loans from enhanced comfort of your house or office, fill it together with
    your authentic private information.

    ResponderEliminar
  2. Pelo que percebi de uma parte da introdução é uma função central e incontornável da Epistemologia trabalhar para validar todo e qualquer tipo de realismo.
    E já agora para validar toda a "pura" metafísica desde que tenha um programa realista, e portanto a Espistemologia está "sob a tutela" de teorias realistas em metafísica, mais ou menos "locais".
    Logo o trabalho em Espistemologia que não satisfaz estas ambições, mas antes suporta ainda que indirectamente posições contrárias, ou seja anti-realistas num dado domínio, não é Espistemologia suponho.

    Mas então que nome devemos dar a esse tipo de trabalho, acerca do conhecimento e das suas condições de possibilidade, que defende ou suporta posições anti-realistas ou reducionistas, ou pelo menos metafisicamente "minimalistas"?

    Anti-Epistemologia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa,no excerto está "um problema principal" e não "o problema principal", como entendi numa leitura demasiado rápida. Mas não tenho a certeza se a distinção invalida a minha questão.

      Eliminar
  3. Este é o novo link: http://criticanarede.com/fil_epistemologia.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.