Avançar para o conteúdo principal

Nós também somos animais


Está já à venda o livro organizado e traduzido por Pedro Galvão, Os Animais Têm Direitos? Perspectivas e Argumentos (Dinalivro). Reunindo textos de Peter Singer, Tom Regan, Carl Cohen, Jan Narveson, J. Baird Callicott, James Rachels e Jeff McMahan, trata-se de um livro que apresenta os argumentos a favor da ideia de que é imoral maltratar os animais não humanos (note-se o antropocentrismo que é usar "animais" excluindo-nos a nós), e respectivas objecções. Para quem quiser conhecer este debate, este é um bom livro para começar.

Comentários

  1. Bem, não há uma palavra para referir apenas os animais das outras espécies. Além disso, não dá jeito nenhum usar a expressão "animais não-humanos" sempre que queremos referir esses animais -- e num título essa expressão ficaria horrível, para dizer o mínimo. Por fim, toda a gente percebe que seres refere o termo "animais" nestes contextos.

    Obrigado pela divulgação!

    ResponderEliminar
  2. Grande notícia! Obrigada ao Pedro por "arrumar" o problema, em português. Espero que chegue a muit@s!
    Abraço,

    Cátia

    ResponderEliminar
  3. Curiosamente, nem estava a pensar no título do livro, quando comentei a chatice que é usar "animais" como se nos excluísse a nós. Entretanto, mais informações sobre o livro estão já disponíveis na Crítica:

    http://criticanarede.com/animais.html

    ResponderEliminar
  4. O livro é ótimo. Parabéns a Pedro Galvão pela iniciativa, já que possuímos pouquíssimas obras dos grandes filósofos que debatem sobre esse tema traduzidos para o português. Espero que o tema não se esgote apenas nessa edição, já que formamos um publico ansioso por explorar melhor o tema, mas que assim como eu, não dominam o idioma inglês.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.