Avançar para o conteúdo principal

Contra a clonagem


Acabo de publicar aqui um artigo de Jeremy Rifkin contra a clonagem, traduzido por Vítor João Oliveira. E o que pensa o leitor?

Comentários

  1. Bom, acabei de ler o artigo e acho-o surpreendentemente fraco. Imediatamente após uma primeira leitura, não consigo descortinar um único bom argumento contra a clonagem. Talvez tenha estado distraído, mas os argumentos são quase só sugeridos, ao invés de claramente expostos. Em contrapartida, encontram-se várias falácias (a maior parte delas são espantalhos), linguagem tendenciosa e premissas discutíveis dadas como certas sem qualquer discussão.

    Também não se chega muito bem a perceber por que razão se faz questão de falar de esquerda e de direita, a não ser como estratégia retórica. Não quero dizer que não haja alguns aspectos no artigo que merecem reflexão, mas são aspectos (estou a pensar no que se refere aos negócios com patentes e coisas assim) que não tocam, a não ser muito indirectamente, na questão central: se há de moralmente inaceitável na clonagem e, a haver, o quê exactamente. Esses aspectos dizem antes respeito ao modo como a clonagem é desenvolvida e não à clonagem em si. De resto, também há imensos negócios à volta da saúde (hospitais, clínicas, empresas farmacêuticas, etc.) e isso não é razão para se declarar moralmente inaceitável a existência de hospitais, clínicas, etc.

    ResponderEliminar
  2. Concordo que as ideias avançadas no artigo contra a clonagem são ridiculamente fracas. Em parte, penso que isso se deve à inexistência de bons argumentos contra a clonagem. E, nesse aspecto, este artigo dá voz a uma posição comum mas insustentável, que merece desmontagem e discussão. É o que faremos em próximos artigos a publicar na Crítica, sobre este tema.

    ResponderEliminar
  3. O novo link do artigo: http://criticanarede.com/contraclonagem.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…