Avançar para o conteúdo principal

Contra os mundos possíveis

No SPF da UFOP de amanhã apresentarei a comunicação "Contra os Mundos Possíveis".

Comentários

  1. Desidério

    É difícil acompanhar a argumentação nesse tipo de apresentação, por isso fiquei com algumas dúvidas:

    Teu ponto central é que noções modais como necessidade e possibiidade são primitivas ou que, mesmo não sendo primitivas, não são elimináveis?

    Uma segunda questão, que não é diretamente sobre a tua argumentação, diz respeito à redução linguística. Me parece que ali está a argumentação quineana, porém, um ponto que sempre me intrigou na argumentação quineana é a ideia de que a noção de "necessidade" pressupõe a noção de "analiticidade" (segue um trecho do Two Dogmas of Empiricism com grifos meus):

    "If a language contains an intensional adverb 'necessarily' in the sense lately noted, or other particles to the same effect, then interchangeability salva veritate in such a language does afford a sufficient condidition of cognitive synonymy; but such a language is intelligible only if the notion of analyticity is alread clearly understood in advance."

    Nunca compreendi com clareza a razão pela qual "necessidade" pressupõe "analiticidade" (confesso que minha impressão é de que este não seja o caso). Enfim, ficaria grato se você pudesse elucidar estas questões ou indicar alguma bibliografia.

    ResponderEliminar
  2. Penso que um dos bons pontos de partida é o livro de Plantinga, The Nature of Necessity. A introdução à metafísica de Lowe, A Survey of Metaphysics, tem também um bom tratamento da modalidade. O meu próprio livro, Essencialismo Naturalizado, é também esclarecedor e muito elementar. De David Lewis, o livro Possible Worlds apresenta detalhadamente a posição dele.

    A minha posição é que os conceitos modais são primitivos; podem ser esclarecidos por meio de parágrafases ou de conceitos equivalentes, mas não podem ser eliminados. As posições de Quine quanto à necessidade são hoje irrelevantes, ou tão perto disso quanto o é possível em filosofia; nos seus momentos mais radicais, Quine argumenta contra a inteligibilidade das noções modais, mas não é bem-sucedido.

    ResponderEliminar
  3. Desidério

    Obrigado pelas recomendações. Meu conhecimento sobre essa discussão é muito pouco, então posso estar perguntando algo estúpido, mas gostaria de fazer uma última pergunta: se aceitarmos tua conclusão, seria plausível aceitar que existem (ou podem existir) outros modelos para interpretar noções modais, modelos que não envolvam mundos possíveis? Ou mundos possíveis continuariam sendo a melhor (e talvez única) solução, mesmo que sem a pretensão de uma eliminação?

    ResponderEliminar
  4. Podemos usar os mundos possíveis como modelos da linguagem modal, sem pretender que estes modelos descrevam outra coisa que não a estrutura modal da realidade que efectivamente existe. Mas também podemos dar um tratamento técnico diferente às noções modais, sem recorrer aos mundos possíveis, um modelo algébrico. Infelizmente, esta maneira de o fazer não foi desenvolvida. Mas é possível.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…