Avançar para o conteúdo principal

Uma exceção à regra

Quando ouço alguém mencionar com gosto as profundezas filosóficas da literatura eu já espero pelo pior: romances que centram toda a relevância do mundo em mesquinharias subjetivas, contos acerca das angústias de pessoas mal resolvidas e poemas com expressões pomposas que só contêm banalidades ou falsidades evidentes. Uma exceção à regra é Simplicidades insolúveis - 39 histórias filosóficas de Roberto Casati e Achille Varzi. O livro é composto de pequenas histórias repletas de experimentos mentais, raciocínio intenso e sutilezas conceituais que demonstram a delicadeza da argumentação filosófica: suponha que façamos um livro que só contém desenhos para auxiliar os turistas. Se para compreender os desenhos precisamos interpretá-los qual é a utilidade de apenas utilizar desenhos em primeiro lugar? Este livro seria útil? E o que diria se alguém colocasse um cubo de granito diante de si e afirmasse que em seu interior há uma reprodução fiel do Davi de Michelangelo em escala reduzida. Seria correto dizer que é um Davi circundado por um estrato de granito? Ou só podemos dizer que seria um David se viesse a ganhar essa forma? E se uma empresa pretendesse cormecializar um ácido universal? Como fazer isso sem um invólucro universal? Deixo uma passagem do livro para o leitor:

A auto-referência se explica por si

Aqui estou. Peço desculpas pelo início um tanto brusco. Mas preciso dizer que estou muito feliz de ser o primeiro parágrafo deste diálogo.

Sorte sua. Eu não estou nem um pouco satisfeito de ser o segundo. O pior é que as coisas já estão assim, e não há nada que se possa fazer. Ficarei preso aqui para sempre!

O que você quer dizer?

É inútil fazer perguntas a ele: o tempo dele já se esgotou, e você não obterá nenhuma resposta. Na melhor das hipóteses, sou eu quem poderá responder a você. E lhe digo uma coisa: um texto não poderia ser diferente daquilo que é. Não poderia nem sequer ter uma palavra a mais ou uma vírgula a menos, porque nesse caso já seria um outro texto. E se alguém diz de si mesmo que é o primeiro parágrafo de um diálogo, então ele nunca poderia ser o segundo ou o terceiro, assim como um parágrafo que se diz segundo ou terceiro jamais poderia ser o primeiro. Eu, por exemplo, sou o quarto parágrafo deste diálogo e, como digo isso abertamente, não posso imaginar uma situação em que eu tomaria o seu lugar.

Quanto a mim, prefiro não ter esse vínculo. Não digo explicitamente em que parte do diálogo compareço, portanto, poderia perfeitamente comparecer em outro lugar.

Ótima idéia. Estou com você!

Desculpem, mas acho que vocês estão cometendo um erro. Na minha opinião, os parágrafos que apareceram antes de vocês também poderiam comparecer em outro ponto do diálogo. Por exemplo, o primeiro parágrafo poderia muito bem estar em segundo lugar.

Comentários

  1. Roberto Casati (suponho que é o mesmo) participa também neste volume:

    http://books.google.pt/books?id=UbiwroR0084C&dq=roberto+casati+sounds&source=gbs_navlinks_s

    ResponderEliminar
  2. Sim Vitor,

    e também é autor deste livro aqui sobre as sombras: http://www.livrariadafisica.com.br/detalhe_produto.aspx?id=24763

    ResponderEliminar
  3. Chegou hoje. O livro é demais! Simplesmente maravilhoso! Obrigado pela dica.

    ResponderEliminar
  4. O novo link: http://www.livrariacultura.com.br/busca?N=0&Ntt=simplicidades+insol%C3%BAveis+-+39+hist%C3%B3rias+filos%C3%B3ficas+

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…