Avançar para o conteúdo principal

A filosofia como um esporte sangrento

Neste texto Norman Swartz fala do problema que é a atitude agressiva que impera no mundo acadêmico da filosofia - tópico que também é discutido brevemente em "A filosofia não é "adversarial"" de Richard Creel. Nos congressos, aulas e pareceres de submissão criou-se o hábito de objetar como se o objetivo fosse destruir o interlocutor. Esse clima doentio de agressão não só cria um abismo entre a cooperação acadêmica que idealmente deveria caracterizar a filosofia como profissão e a realidade desagradável de competição bruta, como também afasta das discussões as pessoas que são mais sensíveis à hostilidade. Felizmente, a competição e o rigor acadêmico podem ter lugar de uma maneira civilizada, como atestam várias exceções.

Comentários

  1. A competição pode ser construtiva e cooperativa, ou destrutiva. No segundo caso, é estéril, pois o único objectivo é ganhar (seja o que for: uma medalha, uma bolsa), independentemente de o trabalho realizado ser um genuíno valor acrescentado ao mundo. É como o aluno que só quer ser o melhor da turma, em vez de querer ser bom: ser o melhor da turma é irrelevante, pois numa turma muito má, basta ser ter um olho em terra de cegos para ser bom, mas nesse caso o trabalho desenvolvido não tem ainda intrinsecamente qualquer valor relevante. Evidentemente, isto é submeter o valor da sua proficiência como aluno e do trabalho por ele desenvolvido a aspectos inteiramente irrelevantes: os aspectos sociais de ser elogiado pelos outros, de estar acima deles, etc. Isto é uma distorção patética e infantil das coisas.

    Transportando isto para o mundo académico, temos a mesmíssima diferença: tanto podemos estar interessados na qualidade genuína, ainda que modesta, do nosso trabalho, como podemos estar interessados apenas em ter um olho em terra de cegos. A segunda opção conduz à competição agressiva e destrutiva. A competição cooperativa nasce da ideia de que não basta procurar dar o nosso melhor em solidão, pois outras cabeças vêm sempre aspectos que nos escapam: precisamos das suas críticas e sugestões para melhorar o nosso trabalho. Mas isto é cooperar: as críticas dos outros não visam destruir, mas antes tornar mais sofisticado o nosso trabalho, acrescentando-lhe valor. O curioso é que quando se assume esta postura, tanto faz se as críticas que nos fazem visam destruir-nos ou ajudar-nos: nós olhamos para elas com a mesma bonomia, perguntando-nos seriamente: “O que consigo tirar daqui que me ajude a fazer melhor?”

    ResponderEliminar
  2. Outro aspecto interessante dessa questão é que algumas pessoas ficam até com o rosto vermelho só de ouvir a sugestão de que a competição e a comparação de desempenho entre as pessoas são necessárias para a avaliação dos méritos filosóficos. É claro que em um mundo no qual tivéssemos a capacidade mágica de determinar a competência de uma pessoa sem que ela publique nada de relevante seria mais prático, mas me parece que há algo de profundamente errado mesmo nesse mundo: pessoas dotadas de talento que se envolvem nesses contextos acadêmicos naturalmente vão considerar a comparação e competição entre pares como algo saudável. Afinal de contas, a competição é fundamental para manter o empenho dos filósofos e evitar o comodismo. Portanto não é desejável evitar a competição na filosofia.

    Além disso, eu não consigo imaginar um mundo possível em que a filosofia não envolvesse qualquer tipo de comparação entre o mérito dos filósofos: por exemplo, se eu e Zizek fossemos os únicos filósofos que já existiram, eu seria o melhor filósofo do mundo, mas se Kripke fosse o único filósofo que existiu, sua filosofia não seria brilhante nem ruim. Isso é ridículo. Portanto não é possível fazer filosofia de maneira séria se não criarmos parâmetros mínimos de comparação.

    ResponderEliminar
  3. Isto por vezes é mais fácil de afirmar que de praticar, mas o melhor a fazer perante qualquer crítica - bem ou mal intencionada - é mesmo a de ver o que podemos dali tirar para melhorar o nosso trabalho. Se uma crítica mal intencionada pode ser útil independentemente daquilo que a faz ser mal intencionada, então ignoramos este último elemento e tratamos o primeiro. Se a crítica é vazia, pura agressão sem mais conteúdo, ignoramo-la e ao seu autor.
    Houve um tempo em que tinha alguma paciência para despiques, mas quanto mais tempo dedico à filosofia menos paciência tenho para essas coisas. Perde-se tempo e faz-se figuras tristes, de miúdos a tentar ver quem tem mais graça ou quem é mais esperto.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…