Avançar para o conteúdo principal

A alameda da lógica

"Logic Lane" é o título de uma série de seis filmes de 1972 sobre a filosofia em Oxford. Os filmes são dirigidos por Michael Chanan e produzidos por Noel Chanan. Em "Appearance and Reality", Alfred Ayer e Bernard Williams discutem temas como o relacionamento da filosofia com a ciência, a importância atribuída ao senso comum por filósofos como Moore, Wittgenstein e Austin, o verificacionismo do positivismo lógico, as relações entre a ciência e o senso comum, entre outras questões. "I'm going to tamper with your beliefs a little", mostra a discussão de Isaiah Berlin e Stuart Hampshire sobre a filosofia em Oxford na década de trinta, passando também por algumas das idéias de Ayer, Austin, Berlin, Wittgenstein, Ryle e a influência do Círculo de Viena. "Language and Creativity" contém uma aula de filosofia da linguagem ministrada por Peter Strawson assim com uma série de discussões do mesmo com Gareth Evans: são debatidos temas como a natureza da filosofia e o papel do filósofo (Strawson defende que o filósofo é um gramático conceitual), o ceticismo de Strawson acerca das pretensões da aplicação da lógica formal na explicação da linguagem natural entre outros tópicos. Em "Logic Lane: A Philosophical Retrospective", Alfred Ayer apresenta uma retrospectiva do desenvolvimento da filosofia em Oxford de 1930 a 1972. Este filme também contém alguns excertos dos outros filmes com participações de Isaiah Berlin, Stuart Hampshire, Gilbert Ryle, Iris Murdoch e David Pears. "The Idea of Freedom", apresenta a discussão de Iris Murdoch e David Pears sobre questões como os benefícios do aprendizado da filosofia, diferentes maneiras de ensinar filosofia, a importância da história da filosofia, o problema do livre-arbítrio, auto-conhecimento, entre outras. "You might just as well say 'I see what I eat' is the same thing as 'I eat what I see'" começa com um excerto de "Alice no País das Maravilhas" e em seguida introduz Gilbert Ryle e J. O. Urmson. Ambos discutem temas como a identidade pessoal, o problema mente-corpo e a questão de saber se a filosofia torna o filósofo uma pessoa moralmente melhor.

Essa série de filmes é uma jóia para quem dedica sua vida à filosofia. Não temos aqui apenas um desfile de idéias de alguns dos maiores nomes da filosofia do século vinte, mas também uma impressão viva desses filósofos(as) no seu dia a dia em Oxford, um dos maiores centros de filosofia do mundo. O próprio título da série "Logic Lane" "Alameda da Lógica", faz referência a uma alameda de Oxford que possui o mesmo nome - é a alameda que aparece na foto desse post. Há também nos filmes inúmeras cenas maravilhosas e inesquecíveis como o tutorial de David Pears com uma de suas alunas, um excerto da única gravação existente de uma das aulas de Austin e as cenas de Gareth Evans estudando em seu pequeno chalé e caminhando pelo campo. Enfim, esses filmes não têm preço.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.