25 de junho de 2011

Aldrabar para denunciar a suposta aldrabice

Vale a pena ler este artigo de Clara Barata. Curiosamente, fiquei com a impressão de que Gould não era particularmente honesto no livro A Falsa Medida do Homem, precisamente por estar tão ansioso para provar que afinal não há qualquer diferença quanto à inteligência entre pessoas de diferentes etnias, e que Morton tinha sido inconscientemente levado a aldrabar os seus resultados para provar os seus supostos preconceitos racistas. Ao ler Gould tive a nítida impressão de que ele estava pelo menos tão ansioso por provar que a ciência contemporânea se alinhava com as ideias hoje politicamente correctas quanto, segundo ele, Morton estaria ansioso para provar as ideias na altura dele politicamente correctas. E agora prova-se que isso é mesmo verdade: Gould aldrabou para "provar" o que queria que provasse.

Também digno de nota é o comentário do filósofo da ciência Philip Kitcher, que sugere o que não afirma claramente, esquecendo-se todavia convenientemente de referir que medições são medições e tanto faz que seja um paleontólogo profissional a fazê-las ou um estudante de paleontologia, sendo na verdade mais dignas de confiança as medições feitas por um estudante que as faça por amor à precisão do que a do mais famoso paleontólogo, se este as fizer em defesa do politicamente correcto.

7 comentários:

  1. A suprema ironia de denunciar uma fraude cometendo outra (ou a mesma, só que de sinal contrário). Como de costume, a moral da história é relativamente simples: os erros só são erros quando contrariam as nossas crenças mais profundas e queridas, pois caso contrário são verdades indiscutíveis que devem ser prontamente criticadas e denunciadas como tal. Assim, se se é de esquerda ou de direita, crente ou ateu, condicionar a investigação científica ou filosófica a produzir resultados conformes aos nossos preconceitos ideológicos prévios parece ser bom e justo, ou nem sequer ser manipulação de todo, mas se for ao contrário... aí cai o Carmo e a Trindade, é o fim do mundo, é escandaloso, chocante e vergonhoso. É por isso que a imparcialidade, a objectividade e o amor à verdade pura e dura (e não àquilo que gostaríamos que fosse verdade ou acreditamos que seja) são virtudes intelectuais inestimáveis e extremamente raras, mas, por isso mesmo, absolutamente indispensáveis, quando se quer honestamente conhecer a verdadeira natureza das coisas e não se confunde a vontade prática de corrigir as injustiças naturais do mundo com a vontade teórica de as corrigir ilusória e artificialmente através do pensamento, falsificando a verdade para a acomodar aos nossos desejos e ideais.

    ResponderEliminar
  2. Kitcher sugeriu que as medições do estudante de paleontologia são menos dignas de crédito do que as de um paleontólogo profissional. Esse argumento é o que qualquer pessoa que conhece noções básicas de lógica chama de falácia ad hominem. O fato de ser um filósofo profissional que usa essa falácia em público só torna esse acontecimento mais lamentável.

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    Vale a pena ler o comentário ao caso feito pelo próprio John S. Michael no dia 19.6.2011 - cf. http:/www.plosbiology.org/annotation/listThread.action?inReplyTo=info%3Adoi%2...
    Diz coisas que queria dizer já há 20 anos.
    Para além de Gould e Kitcher, os autores do artigo (que desconsideram tecnicamente o "paper" do Michael - basta ler a apresentação do estudo e o Text S1 em anexo) e os cientistas da área também não ficam lá muito bem na fotografia...

    ResponderEliminar
  4. Herculano, a ligação está errada, pode enviar a ligação correcta, por favor?

    ResponderEliminar
  5. Desidério, o endereço é o seguinte:

    http://www.plosbiology.org/annotation/listThread.action?inReplyTo=info%3Adoi%2F10.1371%Fannotation%2F470ee014-daac-45ee-bbf0-40d0bdfa12e9&root=info%3Adoi%2F10.1371%2Fannotation%2F470ee014-daac-45ee-bbf0-40d0bdfa12e9&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaing=feed%3A+plos%2Fambra%2FplosbiologyAnnotations+(Ambra+-+Biology+Annotations)

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado! É um depoimento muitíssimo interessante.

    ResponderEliminar
  7. O Artigo de Clara Barata, "O passo em falso de Stephen Jay Gould" (no Público) passou agora para aqui: http://www.publico.pt/ciencia/noticia/o-passo-em-falso-de-stephen-jay-gould-1500189?page=-1

    ResponderEliminar