Avançar para o conteúdo principal

Aldrabar para denunciar a suposta aldrabice

Vale a pena ler este artigo de Clara Barata. Curiosamente, fiquei com a impressão de que Gould não era particularmente honesto no livro A Falsa Medida do Homem, precisamente por estar tão ansioso para provar que afinal não há qualquer diferença quanto à inteligência entre pessoas de diferentes etnias, e que Morton tinha sido inconscientemente levado a aldrabar os seus resultados para provar os seus supostos preconceitos racistas. Ao ler Gould tive a nítida impressão de que ele estava pelo menos tão ansioso por provar que a ciência contemporânea se alinhava com as ideias hoje politicamente correctas quanto, segundo ele, Morton estaria ansioso para provar as ideias na altura dele politicamente correctas. E agora prova-se que isso é mesmo verdade: Gould aldrabou para "provar" o que queria que provasse.

Também digno de nota é o comentário do filósofo da ciência Philip Kitcher, que sugere o que não afirma claramente, esquecendo-se todavia convenientemente de referir que medições são medições e tanto faz que seja um paleontólogo profissional a fazê-las ou um estudante de paleontologia, sendo na verdade mais dignas de confiança as medições feitas por um estudante que as faça por amor à precisão do que a do mais famoso paleontólogo, se este as fizer em defesa do politicamente correcto.

Comentários

  1. A suprema ironia de denunciar uma fraude cometendo outra (ou a mesma, só que de sinal contrário). Como de costume, a moral da história é relativamente simples: os erros só são erros quando contrariam as nossas crenças mais profundas e queridas, pois caso contrário são verdades indiscutíveis que devem ser prontamente criticadas e denunciadas como tal. Assim, se se é de esquerda ou de direita, crente ou ateu, condicionar a investigação científica ou filosófica a produzir resultados conformes aos nossos preconceitos ideológicos prévios parece ser bom e justo, ou nem sequer ser manipulação de todo, mas se for ao contrário... aí cai o Carmo e a Trindade, é o fim do mundo, é escandaloso, chocante e vergonhoso. É por isso que a imparcialidade, a objectividade e o amor à verdade pura e dura (e não àquilo que gostaríamos que fosse verdade ou acreditamos que seja) são virtudes intelectuais inestimáveis e extremamente raras, mas, por isso mesmo, absolutamente indispensáveis, quando se quer honestamente conhecer a verdadeira natureza das coisas e não se confunde a vontade prática de corrigir as injustiças naturais do mundo com a vontade teórica de as corrigir ilusória e artificialmente através do pensamento, falsificando a verdade para a acomodar aos nossos desejos e ideais.

    ResponderEliminar
  2. Kitcher sugeriu que as medições do estudante de paleontologia são menos dignas de crédito do que as de um paleontólogo profissional. Esse argumento é o que qualquer pessoa que conhece noções básicas de lógica chama de falácia ad hominem. O fato de ser um filósofo profissional que usa essa falácia em público só torna esse acontecimento mais lamentável.

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    Vale a pena ler o comentário ao caso feito pelo próprio John S. Michael no dia 19.6.2011 - cf. http:/www.plosbiology.org/annotation/listThread.action?inReplyTo=info%3Adoi%2...
    Diz coisas que queria dizer já há 20 anos.
    Para além de Gould e Kitcher, os autores do artigo (que desconsideram tecnicamente o "paper" do Michael - basta ler a apresentação do estudo e o Text S1 em anexo) e os cientistas da área também não ficam lá muito bem na fotografia...

    ResponderEliminar
  4. Herculano, a ligação está errada, pode enviar a ligação correcta, por favor?

    ResponderEliminar
  5. Desidério, o endereço é o seguinte:

    http://www.plosbiology.org/annotation/listThread.action?inReplyTo=info%3Adoi%2F10.1371%Fannotation%2F470ee014-daac-45ee-bbf0-40d0bdfa12e9&root=info%3Adoi%2F10.1371%2Fannotation%2F470ee014-daac-45ee-bbf0-40d0bdfa12e9&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaing=feed%3A+plos%2Fambra%2FplosbiologyAnnotations+(Ambra+-+Biology+Annotations)

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado! É um depoimento muitíssimo interessante.

    ResponderEliminar
  7. O Artigo de Clara Barata, "O passo em falso de Stephen Jay Gould" (no Público) passou agora para aqui: http://www.publico.pt/ciencia/noticia/o-passo-em-falso-de-stephen-jay-gould-1500189?page=-1

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…