29 de junho de 2011

Mahler por Boulez

Acabo de publicar a recensão de João Rizek da interpretação de Pierre Boulez do Adágio da décima sinfonia de Mahler e do seu Des Knaben Wunderhorn.

2 comentários:

  1. Caro João,
    Obrigado pela esclarecedora recensão. Talvez seja um pouco exagerado afirmar que a importância de Mahler é finalmente reconhecida, graças a esta dupla efeméride. Creio que a atenção dispensada à obra de Mahler não é de agora. Diria mesmo que, muito justamente, tem sido das obras mais gravadas e interpretadas das duas últimas décadas. Basta ver que foram gravadas várias integrais das suas sinfonias, por alguns dos mais destacados nomes: Rattle, Tennstedt, Bertini (todas na EMI), Abbado e Kubelik (na DG), Solti (DECCA), Bernstein (Sony e na DG), Haitink (Philips). Estas são apenas algumas das integrais, gravadas antes das referidas efemérides. E julgo haver outras integrais das sinfonias (George Szell), mas não tenho a certeza. Isto para dizer que Mahler há muito é reconhecido como um dos grandes compositores do século XX.

    A propósito das sinfonias, parece-me haver alguma desvalorização em termos comparativos da Sinfonia nº 5, apesar do célebre adagieto. É uma excelente sinfonia, talvez das melhores de Mahler (juntamente com a 2ª). É conhecida pelo adagieto do quarto andamento, mas é toda excelente, a começar pela belíssima marcha fúnebre do primeiro andamento.

    Só mais dois pormenores: no Brasil usa-se o termo "movimento" em vez de "andamento"? Já não é a primeira vez que vejo isso.

    Quanto a Christian Gerhaher, concordo que é um excelente cantor. O último disco que comprei foi precisamente os Dichterliebe, de Schumann. É mesmo muito bom.

    ResponderEliminar
  2. Reparei agora que o último parágrafo não se percebe bem. Queria dizer que o último disco que comprei é a interpretação de Gerhaher de Dichterliebe, de Schumann, e fiquei surpreendido com este barítono. Mas é apenas uma opinião de leigo.

    ResponderEliminar