Avançar para o conteúdo principal

Mahler por Boulez

Acabo de publicar a recensão de João Rizek da interpretação de Pierre Boulez do Adágio da décima sinfonia de Mahler e do seu Des Knaben Wunderhorn.

Comentários

  1. Caro João,
    Obrigado pela esclarecedora recensão. Talvez seja um pouco exagerado afirmar que a importância de Mahler é finalmente reconhecida, graças a esta dupla efeméride. Creio que a atenção dispensada à obra de Mahler não é de agora. Diria mesmo que, muito justamente, tem sido das obras mais gravadas e interpretadas das duas últimas décadas. Basta ver que foram gravadas várias integrais das suas sinfonias, por alguns dos mais destacados nomes: Rattle, Tennstedt, Bertini (todas na EMI), Abbado e Kubelik (na DG), Solti (DECCA), Bernstein (Sony e na DG), Haitink (Philips). Estas são apenas algumas das integrais, gravadas antes das referidas efemérides. E julgo haver outras integrais das sinfonias (George Szell), mas não tenho a certeza. Isto para dizer que Mahler há muito é reconhecido como um dos grandes compositores do século XX.

    A propósito das sinfonias, parece-me haver alguma desvalorização em termos comparativos da Sinfonia nº 5, apesar do célebre adagieto. É uma excelente sinfonia, talvez das melhores de Mahler (juntamente com a 2ª). É conhecida pelo adagieto do quarto andamento, mas é toda excelente, a começar pela belíssima marcha fúnebre do primeiro andamento.

    Só mais dois pormenores: no Brasil usa-se o termo "movimento" em vez de "andamento"? Já não é a primeira vez que vejo isso.

    Quanto a Christian Gerhaher, concordo que é um excelente cantor. O último disco que comprei foi precisamente os Dichterliebe, de Schumann. É mesmo muito bom.

    ResponderEliminar
  2. Reparei agora que o último parágrafo não se percebe bem. Queria dizer que o último disco que comprei é a interpretação de Gerhaher de Dichterliebe, de Schumann, e fiquei surpreendido com este barítono. Mas é apenas uma opinião de leigo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…