Avançar para o conteúdo principal

Os exames também podem ser maus?

Sim, podem. Deixo aqui o exemplo do exame francês (do bac) de Filosofia, realizado na semana passada. O aluno tem de escolher uma de três questões, tendo 4 horas para responder à questão que escolheu. No vídeo, uma professora de Filosofia apresenta uma resposta possível para uma das perguntas: A arte é menos necessária que a ciência?

Isto só me traz à cabeça a pergunta: quem é mais importante, a mãe ou o pai?

Comentários

  1. Vale a pena esmiuçar o que pode ser visto como caricato na pergunta. Não se trata de qualquer má vontade contra a estética ou a arte — na Crítica temos uma boa secção sobre esta disciplina, e o Aires é autor de um livro sobre o tema — mas antes do que pode ser visto como uma pergunta tola, em termos escolares e académicos. É que a pergunta não versa sobre qualquer problema da estética ou da filosofia da arte; não pede para discutir as ideias de qualquer filósofo; não formula sequer um problema filosófico identificável na história da disciplina. A pergunta parece apenas uma tolice infantil que convida ao delírio verbal do elogio rasgado da arte, contrapondo-a à ciência, pressupondo um dualismo superficial, e que pode ser visto como o resultado de uma profunda ignorância bibliográfica, entre arte e ciência.

    Note-se que estou apenas a explicar o que pode ser visto como caricato e tolo na pergunta do exame francês; não estou a argumentar ainda que o é de facto.

    ResponderEliminar
  2. O que é notável (digamos assim) é que esse exame de Filosofia, em França, criou o que poderia chamar-se com propriedade uma indústria livresca a propósito. En passant por là, comprei alguns dos livros e livrinhos que, parece-me que com renovação anual, são vendidos com respostas-tipo a problemas passíveis de CALHAR no exame e truques para o aluno se sair bem.

    Nesse conjunto, há criações com... imaginação (chamemos-lhe assim também). Dou um exemplo, entre vários outros possíveis: um dicionário (Larousse) das citações filosóficas [Du Bac à la Fac! ;-)], com 1500 (pequenas) citações organizadas em torno dos 25 temas dos bacs L, S, ES e "57 dossiers sur tous les philosophes du baccalauréat".

    Temos que convir que é difícil encontrar noutro lugar do Mundo tão digna promoção da filosofia...

    ResponderEliminar
  3. Pois, Gomes, o exame de filosofia em França é um caso que merece ser estudado. Como sabes, é obrigatório para todos os alunos do bac (é sempre o primeiro exame da temporada a ser realizado), mas não é só por isso que é um caso nacional, pois os alunos e cada vez mais pais encaram aquilo como uma espécie de lotaria e um exercício de pose retórica. Os alunos raramente arriscam fazer prognósticos sobre o seu resultado, pois tudo pode acontecer. Digo isto porque conheço alunos que o fizeram e também pais que, de forma algo conformista, mo têm confessado. É com coisas destas que os franceses
    justificam a sua crença de que são o país da filosofia.

    ResponderEliminar
  4. Ainda não tenho critérios para avaliar a situação do Vestibular de Filosofia aqui no Brasil, mas o que vi de algumas provas é que não são muito diferentes dessa questão francesa posta aí. É inegável que na França há tradição de estudo de filosofia, por aqui, só agora entrou nos vestibulares, e não sei se para o bem ou para o mal, já que vestibular se tornou um mercado, e bem promissor inclusive. Sempre me pergunto se Filosofia não é coisa para adulto. Ainda acredito que fariam bem mais pela formação dos menores se incentivassem melhor o estudo das Literaturas, porque sem base literária, qualquer um "samba" com a Filosofia.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.