Avançar para o conteúdo principal

Saber mais sobre o deus único

Acabei de publicar aqui o prefácio de A Evolução de Deus, obra de Robert Right traduzida por David G. Santos e publicada na Guerra e Paz. A edição original é de 2009 e foi uma das finalistas do prestigiado Prémio Pulitzer de 2010. A edição portuguesa de uma obra desta dimensão é de aplaudir, sobretudo por contar com uma tradução que me pareceu cuidada pelos excertos que li (ainda que com alguns anglicismos: assumir como tradução de assume, um falso amigo, pois assumir é muito diferente de presumir).

Comentários

  1. Caríssimo Professor Desidério!,

    Quero em primeiro lugar congratular a Crítica na Rede pelo lugar relevante que ocupa presentemente na transmissão de notícias críticas na Lusofonia. Quero também saudar com apreço e agrado a nota à minha tradução da obra 'Evolução de Deus' - mas quero também anotar o seguinte sobre tradução do verbo 'to assume' do original inglês: a minha versão baseia-se no uso corrente contemporâneo em português do significado secundário do verbo 'assumir', como 'parta-se do princípio de que' ou 'aceite-se para fins de discussão'. Sei que é possível debater esta questão - referindo que este não é o significado primário do termo em português, etc. - mas devo dizer que pessoalmente, parece-me um preciosismo anacrónico querer negar a realidade do significado mais corrente e presente do termo na nossa língua ao assumir uma alegada diferença relevante entre um significado primário do verbo 'assumir' em português e o significado primário do verbo 'to assume' em inglês. A minha tradução está validada pela segunda entrada de qualquer dicionário português que se consulte! Está, por exemplo, especificamente referido na área da Filosofia, com a 7ª acepção do Houaiss: 'anglicismo semântico FIL o m.q. admitir' (FIL = Filosofia).

    Seja como for - penso que isto é mais um debate que só se agudiza perante o que poderíamos chamar de 'puritanos' da língua portuguesa, e, no meu caso, pessoas que aceitam activamente e sem melancolias as interpenetrações vivas das línguas e as suas constantes mutações!

    Mais uma vez: agradeço a nota à obra na Crítica e, claro, o elogio à tradução. Esta minha anotação não é um apontamento 'sentido' - muito longe disso! - pretende apenas ser um esclarecimento informal das razões para a minha opção enquanto tradutor!

    Cumprimentos,
    David G. Santos

    ResponderEliminar
  2. Olá, David

    Não tem de agradecer, são os leitores de língua portuguesa que lhe agradecem a tradução de um livro tão importante, e à Guerra e Paz a sua publicação. Eu também não tenho problemas com as misturas linguísticas na linguagem popular, mas já na linguagem especializada isso provoca problemas, sobretudo quando um aluno ou outra pessoa menos preparada lê o texto e fica perplexa porque espera evidentemente que "assumir" tenha o seu significado primário e não o sétimo do Houaiss. Sobretudo quando se pode perfeitamente grafar "admitir", como sugere o Houaiss. Mas isso é um aspecto menor, e espero que não tenha ficado ofendido ou melindrado. Se o ficou, peço publicamente desculpas. Evidentemente, e como tentei deixar patente na breve nota que escrevi, este anglicismo não é indício ("evidência", para usar outro anglicismo da moda) de uma tradução descuidada. Pelo contrário, e como indiquei, a tradução, assim como a sua introdução, impressionaram-me pela positiva, ainda que da primeira só tenha lido as páginas disponíveis no sítio da Guerra e Paz. Uma vez mais, se houve melindre, peço publicamente desculpa. E insto todos os leitores de língua portuguesa interessados nos fenómenos religiosos a comprar este livro precioso, quer assumam quer não a sua crença ou descrença religiosa.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…