Avançar para o conteúdo principal

Torcer o pescoço para ler lombadas


As lombadas dos livros portugueses são assim, umas para um lado e outras para o outro. É a isto que se refere o Desidério no comentário à minha postagem anterior. Talvez seja bom para torcer o pescoço.

Comentários

  1. É bem verdade... não há uma norma que faça com que todos sejam da mesma maneira? :)Um padrão normalizado, se calhar, não era bem pensado... todavia, também a magia de andar pela biblioteca a torcer o pescoço se desvaneceria... *

    ResponderEliminar
  2. Podia pensar-se numa normalização para evitar estas situações... No entanto, a magia de andar pela biblioteca a torcer o pescoço ia desvanecer-se, pois isso também faz parte da cultura a que nos habituámos... :)

    ResponderEliminar
  3. Acho essa diversidade de lombadas um encanto, vez que, do lado de dentro, elas vendem português correto, inteiramente livre de vícios de linguagem [erros crassos de português].

    ResponderEliminar
  4. Gostava (estou a brincar...) que os leitores que acham piada andar sempre a torcer o pescoço, que tivessem de procurar um livro numa estante enorme. No fim de certeza que não iriam gostar: com "sorte" teriam uma dor de cabeça e um torcicolo.

    Eu também preferiria ter os livros com uma aparência organizada na estante.

    ResponderEliminar
  5. quando trabalhei numa livraria lisboeta, nos tempos da licenciatura, tinha o hábito de arrumar os livros com a lombada sempre na mesma direcção. claro que assim uns têm de ficar "de cabeça para o ar" e outros "de pé", mas funciona.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…