Avançar para o conteúdo principal

A arte de argumentar

A Rulebook for Arguments, de Anthony Weston, é um dos livros que mais ajuda qualquer estudante que queira ganhar autonomia intelectual: que queira saber pensar por si mesmo. Ajuda a escrever com clareza, rigor e precisão; ajuda a argumentar correctamente; e em resultado disso ajuda também a ler activamente textos argumentativos, sejam de filosofia ou não. A edição portuguesa tem por título A Arte de Argumentar, e foi traduzida por mim; a brasileira tem por título A Construção do Argumento, e foi traduzida por Alexandre Feitosa Rosas.

A Hackett acaba de anunciar A Workbook for Arguments, de David R. Morrow e Anthony Weston. Este volume de 500 páginas contém o texto completo do livro original de Weston, mas é complementado com inúmeros textos e exemplos, que ilustram cada uma das regras simples do livro original. Pelo que já me foi dado ver, parece-me muitíssimo bom.

Comentários

  1. Bom dia,

    Obrigado pelo sugestão de Weston. Há já uns tempos que tenho o livro em inglês mas ainda não o tinha começado: o que vou fazer hoje.

    O livro que mais utilizo neste contexto e que recomendo:

    Baggini, Julian e Fosl, Peter S. The Philosopher's Toolkit. A Companion of Philosophical Concepts and Methods.

    Gil

    P. S. - Obrigado por est blog.

    ResponderEliminar
  2. Optima infoemação!
    Boa continuação

    Um abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.