6 de outubro de 2011

William Godwin

Que magia há no pronome "meu" que deva justificar a nossa rejeição das decisões da verdade imparcial?

Sem comentários:

Enviar um comentário