Avançar para o conteúdo principal

David Deutsch

David Deutsch lançou em Março um novo livro, The Begining of Infinity: Explanations that Transform the World que prossegue o trabalho já presente em The Fabric of Reality  (1997). Na Crítica temos aqui a minha tradução da sua comunicação TED, que podemos ver abaixo.

Deutsch é professor na Universidade de Oxford, e deu contributos cruciais para a teoria da computação quântica. Cientista de formação, os seus livros são não apenas abrangentes -- incluindo a filosofia -- como constituem uma excepção entre cientistas, pela reflexão profunda e lúcida sobre a natureza da ciência, da teorização e do que é compreender melhor a realidade. Afastando-se dos convencionalismos, idealismos e instrumentalismos que andam associados ao empirismo, constitui uma lufada de ar fresco para quem tem fortes intuições realistas, como eu, e para quem desconfia que há algo de profundamente errado na mundividência empirista. Aconselho vivamente a leitura de ambos os livros; e não sou o único professor de filosofia a fazê-lo: David Albert faz o mesmo aqui.

Comprei The Fabric of Reality depois de ter visto e traduzido a palestra TED abaixo, mas quando recebi o livro fiquei decepcionado: saltei para um capítulo escrito sob a forma de diálogo com o título "A Conversation about Justification" que apresenta e defende a posição de Popper segundo a qual a indução não tem qualquer papel na ciência. Isto deixou-me uma péssima impressão, porque as ideias de Popper sobre a indução me parecem não apenas erradas, mas tolas. Contudo, fiz mal em abandonar o livro devido a esse capítulo. Meses depois voltei ao livro,  comecei pelo capítulo 1, e fiquei de novo fascinado: David Deutsch é excelente, inovador, inteligente e subtil. Infelizmente, está profundamente errado quanto à indução e quanto à justificação, mas não só tem razão quanto a muitas outras coisas, como os seus livros constituem leituras cativantes que em muito alargam a nossa compreensão das coisas. Recomendo vivamente estes seus dois livros.

Comentários

  1. Popper está errado quanto à indução no que se refere à teoria do conhecimento, mas não no que concerne a física teórica.

    ResponderEliminar
  2. No que concerne a Popper, Desidério Murcho está sempre disseminando o des-conhecimento. Ele tem que estudar as obras do autor. Uma imagem retirada de comentadores não faz jus ao trabalho de Popper.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…