Avançar para o conteúdo principal

História do Pensamento Político Ocidental


O conhecido político e professor de direito administrativo Freitas do Amaral publicou no final de 2011 o livro História do Pensamento Político Ocidental (Almedina), uma obra ambiciosa que não está ao alcance de qualquer um e que exige, sem dúvida, uma boa dose de cultura filosófica. O livro expõe e avalia criticamente as principais ideias políticas desde Péricles, na Antiguidade Clássica, até aos nossos dias - incluindo, por exemplo, o pensamento de Raymond Aron e do «pai» da comunidade europeia, Jean Monet.  É uma história centrada nos principais protagonistas do pensamento político ocidental, como Platão, Aristóteles, Tomás de Aquino, Maquiavel, Hobbes, Locke, Kant, Rousseau, Marx, Lenin, Popper e Rawls, entre muitos outros, num total de mais de 50 filósofos e pensadores políticos.

Ainda não li o livro, mas uma vista de olhos pelo índice (curiosamente, o sítio da net da própria editora não inclui o índice, ao contrário do que seria de esperar), saltaram-me imediatamente à vista duas lacunas imperdoáveis: John Stuart Mill e Robert Nozick. Qualquer um destes nomes justificaria maior destaque do que, por exemplo, Erasmo, Lutero ou Raymond Aron.  

Comentários

  1. Aires Almeida,

    Ainda não tenho o livro pois só agora é que soube da sua existência, mas podia fazer o favor de verificar no índice o nome Ronald Dworkin? E já agora pessoas associadas ao Comunitarismo como Alaidair MacIntyre, Michael Sandel ou Charles Taylor?

    ResponderEliminar
  2. Não tenho o livro, que só folheei na livraria, mas tenho a certeza que não refere o MacIntyre nem o Sandel nem Charles Taylor.

    Já agora, não acham incrível não se encontrar o índice do livro em nenhuma das livrarias virtuais que o anunciam, nem sequer no próprio site da editora? Dá a ideia que para os compradores portugueses de livros, os seus índices não contam para nada. Não sei bem o que, na cabeça deles, leva as pessoas a comprar livros.

    ResponderEliminar
  3. Pois, infelizmente acho que é a regra geral em vez de ser a excepção. A Amazon é dos poucos sites que consulto que permite, a maioria das vezes, ver o índice e até o prefácio ou a parte inicial da obra! Outra coisa que a Amazon também tem e que dá muito jeito é permitir encontrar palavras-chave dentro do livro... Mas eu nem peço tanto, já ficava contente se me dessem o índice na maior parte das livrarias virtuais. Se encontrar lá um livro que me pareça interessante como é que eles esperam que eu saiba se devo comprá-lo? Pelo Título? Pela Capa? Acho que até é um certo desrespeito para os clientes...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…