Avançar para o conteúdo principal

Pedro Galvão sobre os direitos dos animais


Deixo aqui um breve resumo da conferência que Pedro Galvão fez em Portimão sobre direitos dos animais.

E o leitor, o que pensa de tudo isso?

Comentários

  1. Da perspectiva da Ética das Virtudes (que não foi mencionada), maus tratos a animais não humanos, por exemplo, podem ser criticados porque são cruéis, ímpios, insensíveis e por aí adiante. Deste modo, é claro que animais são dignos de consideração moral, mas isso não significa que tenham direitos deontológicos, no sentido indicado. Certamente que há circunstâncias, salvar a vida de um ser humano, em que mesmo o agente mais virtuoso irá violar direitos dos animais, como o direito à vida. Por isso, os direitos dos animais não-humanos não são certamente invioláveis.

    Toda este conversa de direitos pareceria logo unilateral a um teórico das virtudes (uma das razões porque provavelmente não foram mencionados). Isto, porque existem muitas maneiras de criticar comportamentos de um ponto de vista moral (em termos de crueldade, cobardia, vaidade, irresponsabilidade, arrogância, hipocrisia) e as discussões sobre estatuto moral são vistas como infrutíferas do ponto de vista da ética das virtudes, na minha opinião.

    Para um bom artigo sobre ética dos animais desta perspectiva ver Rosalind Hursthouse (um dos grandes nomes no campo da Ética das Virtudes ao lado de Anscombe, Philippa Foot, Alasdair MacIntyre e Michael Slote entre outros):

    http://www.hackettpublishing.com/pdfs/Hursthouse_Essay.pdf

    Já agora, se alguém estiver interessado num livro sólido sobre ética das virtudes recomendo, nada surpreendentemente, "A Theory of Virtue" por Robert Adams.

    ResponderEliminar
  2. Sim, José, a perspectiva da ética das virtudes é outra maneira de abordar a questão dos animais. Outra é a perspectiva ambientalista, cuja abordagem é também diferente das anteriores. Pedro Galvão chamou a atenção para essas outras abordagens, mas não as discutiu, pois não havia tempo para tudo.

    Obrigado pelas sugestões. Já agora, penso que, embora de forma menos vincada, também a filósofa Martha Nussbaum se aproxima de uma perspectiva ética muito próxima da ética das virtudes.

    ResponderEliminar
  3. A questão principal é saber a opinião dos animais sobre o que foi proposto na palestra. Ou não será democrático.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eles não precisam opinar sobre si, não são tão idiotas como os humanos para perderem tempo com discussões existenciais.

      Eliminar
    2. Adorei essa resposta o que ele entende por democracia?

      Eliminar
  4. muito bom o post, adorei o blog muito bom mesmo!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…