21 de Fevereiro de 2012

Ruth Barcan Marcus (1921-2012)


Morreu no domingo passado, dia 19 de Fevereiro, a influente filósofa e lógica Ruth Barcan Marcus, professora de filosofia da Universidade de Yale. Deixo aqui o pequeno artigo que Álvaro Nunes escreveu sobre ela para o Dicionário Escolar de Filosofia organizado por mim:

Lógica e filósofa americana, foi a primeira a desenvolver um sistema de lógica modal quantificado, isto é, com operadores modais (possibilidade, necessidade) e quantificadores. Estabeleceu as chamadas «fórmulas de Barcan» e o teorema da necessidade da identidade. As fórmulas de Barcan são as seguintes: $x Fx → $x ◊Fx (se é possível que algum objecto tenha uma certa propriedade, então algum objecto tem possivelmente essa propriedade); e a sua contraparte para a necessidade e para o quantificador universal, "x Fx → "x Fx (se tudo o que há tem necessariamente uma dada propriedade, então necessariamente tudo tem essa propriedade). Intuitivamente, as fórmulas significam que em nenhum mundo possível há mais objectos do que no mundo efectivo. O teorema da necessidade da identidade afirma que para quaisquer indivíduos x e y, se x = y, então necessariamente x = y. Intuitivamente, isto significa que se João e Francisco são apenas nomes da mesma pessoa, então João e Francisco são necessariamente a mesma pessoa. Outra importante ideia por ela apresentada, que foi mais tarde desenvolvida por Saul Kripke e outros, é a de que os nomes próprios são meras etiquetas referenciais sem qualquer conteúdo. Barcan Marcus fez ainda importantes contribuições para a metafísica, a ética e a filosofia da linguagem. Alguns dos seus principais ensaios encontram-se reunidos em Modalidades: Ensaios Filosóficos (1995).


Nota: Dificuldades técnicas impedem-me de utilizar aqui, ao contrário do que acontece no artigo original, os símbolos correctos dos quantificadores nas fórmulas apresentadas. Assim, no lugar de $ deveria estar o símbolo habitual do quantificador existencial (um E maiúsculo virado para a esquerda) e no lugar de " deveria estar o símbolo habitual do quantificador universal (um A maiúsculo invertido).

4 comentários:

  1. Ruth era a primeira mulher que presidia a Associação Filosófica Americana, e ficava com o título de "Chairman of the Board of Officers", sem cair na mesquinhice feminista de "Chair", "Chairperson", ou "Chair". Na época, professora de porte era raridade, e ela aproveitava disso de uma maneira mais substancial: tinha um boato de que o contrato dela garantia um salário de $1 a mais que qualquer outro professor de Yale. Apesar da carga elevada da APA, não tinha frescura, dando aula de lógica introdutório para 20 ou 30 alunos de graduação e pós, misturado. O livro, lembro, era o de Benson Mates. Recebemos dela - como todos os alunos de filosofia universitários dos EUA receberem - uma carta avisando que no ano anterior tinha mais de 400 novos PhDs em filosofia - e quatro novo empregos.
    Outro incidente que lembro é um nuvem de alunos esperando fora da porta da sala, fechado porque lá dento o grande crítico Harold Bloom estava estourando o tempo. Ninguém sabia o que fazer. Ruth chegou e, sem hesitar, abriu a porta e disse, "Harold, precisamos da sala!" Os alunos procuram a porta com rapidez, e o primeiro a nos alcançar sussurrou, "Obrigado! Estávamos precisando!"
    Lembro também, pesquisando umas das disputas filosóficas em que ela se envolveu jovem, um que discordava dela, fez questão de seguir as regras de estilo da época, em que os outras eram citados pelo sobrenome, enquanto ela era "Miss Barcan", que depois da quinta fez encontrada, soava com uma maneira de desprezar suas ideias. Para qualquer um, era difícil chegar até onde ela chegou; para mulher mais difícil ainda; e para não ficar cheio de si, lá chegando, mais difícil ainda. Conquistou por mérito, sabia disso, e estava segura em seu lugar no mundo. E agora, na história de filosofia.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Mais uma grande mente que marcou a filosofia e será lembrada pela história. Que descanse em paz.

    ResponderEliminar
  4. Em menos de três meses a filosofia teve duas grandes perdas... É um grande fardo colocado na nova geração de filósofos...

    Mais lembranças e informações sobre Ruth Barcan: http://leiterreports.typepad.com/blog/2012/02/in-memoriam-ruth-barcan-marcus-1921-2012.html

    ResponderEliminar