Avançar para o conteúdo principal

Frank Arntzenius - Espaço, Tempo e Coisas



Frank Arntzenius, professor em Oxford, previamente de Rutgers, e um dos mais criativos e engenhosos filósofos da física por consenso geral, publicou este mês o seu já há muito aguardado primeiro livro sobre Filosofia da Física.
Neste livro, Space, Time and Stuff ele defende que o espaço e o tempo não são constituídos por pontos (ou seja, não têm partes indivisíveis), que a Mecânica Quântica é uma teoria completamente local (nada de causação à distância!), que as anti-partículas são apenas partículas a viajar para trás no tempo e que o tempo não tem qualquer estrutura. Mas a tese fundamental do livro é que as propriedades físicas são apenas propriedades geométricas, em que um exemplo seria que a propriedade física de ter carga eléctrica positiva é idêntica à propriedade geométrica de estar localizado num espaço de 'carga' (uma dimensão ou dimensões adicionais a juntar às outras quatro).
Para filósofos de outras áreas, revela-se interessante o ataque à tese que a divisão de particulares em tipos é sobretudo uma questão convencional de classificação científica, mostrando que se tal fosse verdade a teorização científica seria impossível. A tese defendida, que os particulares têm propriedades não-triviais essencialmente a ser descobertas pela ciência, apesar de ser muito popular entre os metafísico contemporâneos, tem-se revelado particularmente controversa nas filosofias das diversas ciências particulares.
Uma excelente obra, mas não para fracos de coração (é possível ver um esboço do oitavo capítulo aqui).

PS: Acabei de saber que o Professor Frank Arntzenius vai mudar de Filosofia da Física para Filosofia Política, alegando que os avanços mais recentes na Física e Matemática actuais se estavam a mostrar demasiados para acompanhar. Uma notícia desencorajadora para futuros filósofos da física.

Comentários

  1. Olá!

    Aquilo que mais me surpreende neste texto, é a ameaça que se vislumbra no post scriptum. Se pensarmos um bocado, parece cada vez mais evidente que, pelo menos em alguns temas e disciplinas, que um filósofo que queira pensar sobre esses campos não o possa fazer (e futuramente, a minha previsão, é que não consiga de todo o fazer) pensar sobre esse tema, devido À quantidade absurda de informação, ou 'avanço científico'.
    Aqui é que me parece haver razão para a extinção dos filósofos, e não devido a qualquer outro aspecto.
    Não sei qual é a vossa opinião?
    Grande abraço!
    Luís Inácio

    ResponderEliminar
  2. Há várias coisas a ser ditas como resposta a essa preocupação. A primeira é que há especializações dentro da própria filosofia: epistemologia, metafísica, filosofia da linguagem, filosofia da mente, ética, filosofia política, estética, filosofia da matemática, filosofia da ciência em geral, filosofias das ciências particulares (física, biologia, psicologia, ciências sociais...) e por aí adiante. O perigo de os filósofos não conseguirem acompanhar o avanço científico só aparece nalgumas destas áreas (filosofia da matemática, filosofia da física e filosofia da biologia). Mas, há que perceber que as melhores universidades do mundo oferecem cursos de filosofia junto com outro tópico (por exemplo, filosofia e matemática, filosofia e física ou filosofia e psicologia) para que os praticantes tenham uma formação extensa na área sobre a qual vão fazer filosofia. No caso da filosofia da física, há pessoas como Craig Callender, Tim Maudlin, Adolf Grunbaum, John Lucas, Quentin Smith e Richard Healey, por exemplo, cujo conhecimento da física moderna é profundo e actualizado. Para além do mais, nem toda a informação científica é relevante à teorização filosófica, só parte, pelo que o perigo de o filósofo estar acima das suas capacidades é diminuído.

    Sobre esta mudança de campo do Professor Arntzenius, o tempo que tinha de dedicar por dia a estudar física e matemática foi apenas uma das considerações que o levou a mudar de área (outra foi que queria fazer algo que fosse conciliável com as suas actividades de activismo político) e tenho a certeza que se lhe perguntassem ele era capaz de indicar pessoas que conseguem fazer o que ele já não consegue (manter-se a par dos avanços mais recentes). O que isto indica é que se alguém quer especializar-se em filosofia da física tem de estar disposto a passar muito tempo a estudar (mais do que os seus colegas noutras áreas), mas não se deve inferir disto uma espécie de pessimismo exagerado sobre as capacidades dos filósofos a acompanhar o que os cientistas fazem (até porque há pessoas que conseguem fazê-lo).

    ResponderEliminar
  3. Acredita-se que a evolução da ciência seja tal que impossibilite ou inviabilize, muito em breve, seu dialogo com a filosofia. Ora, por sua natureza, a filosofia é também dialogo, neste sentido seria interessante perguntar se uma ciência que ultrapasse as condições de dialogo, de comunicação já não se teria tornado estéril? A física se teria tornado uma atividade iniciatica?
    A física quântica denota na atualidade um numero razoável de teorias que buscam sintetizar o emaranhado de partículas, de ‘fios’, cordas e forças que se supõem gerir ou ordenar o Universo desde seus aspectos mais colossais aos mais sutis. Crê-se numa relação causal ou caótica a ligar o micro-universo ao macro-universo. Divide-se micropartículas para se “observar”, para conhecer momentos singulares na história do Universo. ‘Olha-se’ para a “partícula-instante” a fim de inferir dela a origem do tempo, do espaço, do movimento.
    A crescente complexidade das teorias físicas abre a porta para um universo paralelo, donde em breve, ao que parece, receberemos somente fragmentos de informação?
    Como os fragmentos de um enorme quebra-cabeça cuja imagem oculta nós não temos a menor idéia. Parece absurdamente irônico que em breve tenhamos que criar jogos de linguagem, ou novas teorias que sejam capazes de explicar, de esclarecer e tornar inteligível as teorias físicas em suas cada vez maiores complexidades. Será este o destino da Filosofia da Ciência?

    ResponderEliminar
  4. O novo link para o texto: https://files.nyu.edu/cd50/public/papers/CalculusAsGeometry.pdf

    ResponderEliminar
  5. Novo link: http://www.nyu.edu/projects/dorr/papers/CalculusAsGeometry.pdf

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…