Avançar para o conteúdo principal

Se você quer filosofia da ciência, então tome!


A filosofia da ciência vem sendo feita a todo vapor nos grandes centros acadêmicos mundo afora; e para aqueles que querem se inteirar de seus resultados, The Continuun Companion to Philosophy of Science – organizado por Steven French e Juah Saatsi, e lançado no ano passado pela Continuum – é sem dúvida a melhor fonte. Escritos por profissionais ativos nas discussões contemporâneas (e.g., Alexander Bird, Stathis Psillos, Ned Hall, etc.), os 18 artigos que compõem o volume (fora a introdução e as fontes de pesquisa) são muito mais do que apenas uma breve introdução aos principais problemas da filosofia da ciência: além de apresentar as principais respostas (e se funcionam ou não), também indicam o estado atual das discussões e os rumos prováveis que tomarão. O compêndio está divido em quatro partes:
I- “Philosophy of Science in Context”: trata da relação da filosofia da ciência com as outras áreas de filosofia, com a própria ciência e com a história da ciência.
II- “Current Research and Issues”: trata das discussões atuais das principais questões da filosofia geral da ciência (explicação, causalidade, modelos, etc.) e da filosofia das ciências particulares (filosofia da biologia, da química, etc.).
III- “Past and Future”: traça os passos da filosofia da ciência de Aristóteles até o presente, apontando os prováveis caminhos a serem trilhados.
IV- “Resources”: fornece as principais fontes de consulta e pesquisa através de uma bibliografia comentada e da relação das principais revistas, arquivos e enciclopédias on line, etc. Contém também um glossário.
Indispensável tanto aos especialistas quanto aos futuros filósofos da ciência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…