11 de março de 2012

Thomas Nagel vs Materialismo

Está confirmado! Em Setembro deste ano, Thomas Nagel vai publicar um livro, Mind and Cosmos, sobre o materialismo, a biologia evolutiva e o problema mente-corpo. Já agora, o subtítulo provocativo do livro é, traduzido para português, Porque é que a concepção materialista neodarwinista da natureza é quase certamente falsa.

Deixo ao leitor interessado a descrição do produto, traduzida do inglês:

"Em Mind and Cosmos, Thomas Nagel argumenta que a visão amplamente aceite de naturalismo materialista é insustentável. O problema mente-corpo não pode ficar limitado à relação entre corpos animais e mentes animais. Se o materialismo não consegue acomodar a consciência e outros aspectos relacionados à mente da realidade, então temos de abandonar um entendimento completamente materialista da natureza em geral, estendendo isto à biologia, teoria evolutiva e cosmologia. Dado que mentes são características de sistemas biológicos, que se desenvolveram por evolução, então a versão materialista comum da biologia evolutiva é fundamentalmente incompleta. E, a história cosmológica que levou à origem da vida e que originou as condições de possibilidade da evolução não pode ser uma história completamente materialista. Uma concepção adequada da natureza teria de explicar o aparecimento no universo de mentes conscientes, irredutíveis à matéria, como tais. Nenhuma explicação assim está disponível, e não se pode esperar que as ciências físicas, incluindo a biologia molecular, possam providenciar uma. Este livro explora estes problemas através de uma análise geral de obstáculos ao reducionismo, com uma aplicação mais específica ao fenómeno da consciência, cognição e valor. A conclusão é que a física não é a teoria de tudo."


Uma coisa é certa, polémica e, esperemos, discussão frutífera não vão faltar!

3 comentários:

  1. É certo que é só um resumo, mas acaba com o vislumbre de um espantalho: desde quando é que a Física é a teoria de tudo? O que se espera é que as disciplinas científicas, nos seus diferentes níveis de abstracção, não incluam explicações incompatíveis, em princípio, com as leis científicas correntes (não se aconselham os saltos mágicos). Isto inclui a Física, mas também a Química, a Biologia, etc.

    Por mim, espero que este livro, de um filósofo tão importante e mediático, não seja um pretexto para um qualquer retorno à resistente tese do dualismo.

    Cumprimentos,

    ResponderEliminar
  2. O resumo não foi escrito pelo Nagel, certamente. O que Nagel vai dizer é provavelmente que a nossa ciência está fundamentalmente incompleta, porque os factos físicos não fixam todos os outros factos... Mas isso vamos ter de esperar para ver! Quanto à qualidade do livro, é certo que bons filósofos podem produzir maus livros mas é improvável...

    ResponderEliminar
  3. Os físicos reducionistas defendem uma teoria de tudo; os não-reducionistas pensam que isto não é possível porque há fenómenos emergentes. David Deutsch, que é físico, explica no artigo seguinte por que não aceita a teoria de tudo que geralmente os físicos têm em mente, mas como podemos conceber uma teoria de tudo não-reducionista: http://criticanarede.com/teoriadetudo.html. Nagel nada teria a opor à teoria de tudo não-reducionista que Deutsch propõe.

    ResponderEliminar