Avançar para o conteúdo principal

Filosofia para crianças


Para quem pensa que a filosofia é uma disciplina muito avançada, complexa, abstrata, etc. para ser apresentada para crianças, a leitura de Big ideas for little kids de Thomas Wartenberg vem em boa hora. Esse pequeno livro, baseado na própria experiência do autor com o ensino da filosofia para os pequeninos, mostra o quanto as crianças podem se interessar por questões filosóficas e o quanto é fácil ajudá-las a pensar sobre elas.
O método é simples e dispensa qualquer formalismo: através de estórias infantis. Tudo o que o professor precisa fazer é detectar as questões filosóficas que venham a surgir das estórias e incitar as crianças a discuti-las. É claro que não esperamos que crianças de 6 ou 7 anos consigam pensar sobre o paradoxo da condicional material ou sobre possibilidades relativas; é o suficiente que percebam a complexidade de certas coisas no mundo, como por exemplo, a dificuldade de se dizer o que é uma obra de arte, o que é que faz uma ação ser correta, por que há algo e não nada, e assim por diante. Também não esperamos respostas brilhantes e nunca d’antes ensaiadas; tudo o que queremos é que as crianças consigam perceber os problemas filosóficos e ousem respondê-los.
O livro se divide em quatro partes. A primeira trata do interesse das crianças por questões filosóficas e como podemos conduzi-las a uma discussão filosófica. Através de sua experiência, Wartenberg nos ajuda a desfazer a idéia de que a filosofia não é para crianças. Ele menciona uma conversa que teve com o filho de cinco anos: o garoto ficou perplexo com o fato de existirmos –- se para tudo o que existe, existe sempre algo anterior que foi responsável por sua existência, sempre existiram coisas? Isso significa que o universo não teve começo? Longe de ser uma anomalia, as crianças geralmente têm esse tipo de perplexidades, nós é que na maioria das vezes não paramos para ouvi-las. Para ensiná-las a filosofar tudo o que precisamos fazer é dar ouvidos a essas perplexidades, tornado natural a elas o processo de procura por respostas.
Mas para ensinar as crianças a filosofar é preciso abandonar uma prática comum no ensino em geral: o modelo voltado para o professor, cujo objetivo é transmitir ao aluno, quase que por osmose, o maior número de informações que se conseguir. Já se vê que esse método é ineficaz para ensinar a filosofar -– a maioria das questões filosóficas ainda não foi resolvida. O modelo proposto por Wartenberg é o modelo voltado para o aluno, onde o objetivo é, sobretudo, fazer com que o aluno desenvolva por si próprio a capacidade de defender seus próprios pontos de vista. Sem esse método o ensino da filosofia é completamente inviável –- até mesmo para adolescentes e adultos. O papel do professor se reduz, de acordo o modelo voltado para o aluno, a um mediador, tendo como principal função ajudar os alunos numa discussão filosófica. Sua função, além de iniciar a discussão, é clarificar aos alunos o que está em questão, ajudá-los a articular melhor as suas idéias, colocar ordem na discussão, etc. Para usar a metáfora de Wartenberg, a atividade filosófica é como um jogo, e como todo jogo possui regras; o professor é o juiz e sua função é fazer com que as regras do jogo sejam cumpridas.
As outras três partes nos ensina a botar a mão na massa. A parte 2 ensina a montar um plano de aula. A parte 3 dá exemplos de várias estórias (e.g., O Mágico de Oz) que levantam questões filosóficas relativamente simples e compreensíveis às crianças. A última parte sugere algumas atividades complementares a fim de ajudar os alunos a se expressarem melhor, enxergarem o problema com mais clareza, etc.
Professores, mãos à obra!

Comentários

  1. Uma proposta interessante e oportuna, a propósito do bicentenário dos famosos Contos dos Grimm.

    Agora quanto às estratégias do ensino "centrado no aluno" e do professor como mero mediador/moderador... muito haveria que dizer. Aplicando já ao caso: se o professor não tomar desde o início a iniciativa e o protagonismo de contar a história de maneira a fixar a atenção e o interesse dos alunos...

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Do prefácio, uma ideia polémica:

    "you do not have to have a background in philosophy to become an elementary-school philosophy teacher. All you need is a genuine interest in fostering the independence, creativity, and inquisitiveness of your students—as well as patience and a sense of humor!"

    ResponderEliminar
  4. Boa noite,

    O referido livro já foi traduzido para o português?Há como fazer download?

    ResponderEliminar
  5. Boa noite,

    O referido livro já foi traduzido para o português?Há como fazer download?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…